2ª parcela do 13º do INSS termina na próxima semana; veja quem ainda recebe

2ª parcela do 13º do INSS termina na próxima semana; veja quem ainda recebe
O pagamento da 2ª parcela do 13º do INSS termina na terça-feira, 7 de junho. O No Detalhe te explica quem tem direito ao abono anual. (Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil)

O mês de junho começou, mas ainda há pagamentos da 2ª parcela do 13º do INSS a serem feitos nos próximos dias. Segunda e terça-feira, 6 e 7 de junho, serão os últimos dias em que os depósitos serão realizados para beneficiários com o Número de Identificação Social (NIS) com final 9 e 0. 

Quem recebeu aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente ou auxílio-reclusão em 2021, tem direito ao 13º do INSS. Apesar disso, as pessoas que recebem auxílio assistencial, como Benefício de Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social (BPC/Loas) e Renda Mensal Vitalícia (RMV), não tem direito ao 13º salário. 

Publicidade

Publicidade

O dinheiro é depositado diretamente na conta salário do beneficiário e representa 50% do valor total. A primeira parcela terminou de ser paga no mês passado, 6 de maio. 

Quem ainda recebe a 2ª parcela do 13º do INSS?

2ª parcela do 13º do INSS termina na próxima semana; veja quem ainda recebe
O pagamento da 2ª parcela do 13º do INSS termina na terça-feira, 7 de junho. O No Detalhe te explica quem tem direito ao abono anual. (Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil)

O dia do depósito depende do último algarismo, sem contar o dígito verificador, do Número de Identificação Social (NIS). Veja o calendário de pagamentos para quem recebe um salário mínimo:

  • Final do NIS 8: 3 de junho; 
  • Final do NIS 9: 6 de junho;
  • Final do NIS 0: 7 de junho. 

Calendário para quem recebe mais de um salário mínimo:

Publicidade

Publicidade

  • Final do NIS 3 e 8: 3 de junho;
  • Final do NIS 4 e 9: 6 de junho;
  • Final do NIS 5 e 0: 7 de junho. 

Como consultar informações sobre a 2ª parcela do 13º do INSS?

O depósito do 13º do INSS pode ser verificado no extrato, que fica disponível no aplicativo Meu INSS. Ele detalha os valores, a data e o banco onde o benefício foi depositado. Confira como fazer a consulta:

  1. Baixe o aplicativo Meu INSS ou entre no site Meu INSS;
  2. Faça login e senha;
  3. Clique em “Do que você precisa?”;
  4. Escreva o nome do serviço que você quer;
  5. Clique em “Baixar PDF”.

Outras formas de fazer a consulta são:

  • Central de atendimento por telefone, no número 135, que funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h.  É necessário informar o número do CPF e confirmar informações pessoais;
  • Site Meu INSS, em que também é possível acessar o extrato. 

Antecipação do pagamento do abono anual

Em março deste ano, o Governo Federal resolveu antecipar o pagamento do 13º do INSS.  De acordo com o Ministério da Economia, isso foi feito para proporcionar segurança financeira durante a reta final da pandemia de covid-19 aos aposentados e pensionistas, que são majoritariamente idosos, doentes ou pessoas com deficiência, ou seja, fazem parte dos grupos mais vulneráveis à doença. 

A previsão do INSS é de que R$56,7 bilhões sejam injetados na economia com o repasse das duas parcelas do abono anual: R$28,3 bilhões referentes à primeira etapa de pagamentos e outros R$28,3 bilhões por conta da segunda. 

Os estados que mais tiveram beneficiários que receberam a primeira parcela do 13º do INSS foram:

  • São Paulo: 7.403.997 beneficiários e R$8.114.986.804,23;
  • Minas Gerais: 3.683.803 beneficiários e R$3.106.103.624,02;
  • Rio De Janeiro: 2.646.324 beneficiários e R$ 2.798.710.840,99;

Como usar o dinheiro do 13º salário?

O beneficiário que está inadimplente pode utilizar a 2ª parcela do 13º salário para quitar os débitos em atraso. Nesse momento é importante priorizar dois fatores: Primeiro, as contas de serviços essenciais, como luz, internet, água  e aluguel, que podem trazer prejuízos à habitação digna se estiverem atrasadas.

Publicidade

Publicidade

Em seguida, é preciso elencar as contas com juros mais altos, que ficam cada vez mais caras por conta do atraso de pagamento. Entre elas, faturas de cartão de crédito. 

Mas mesmo quem não está endividado ou inadimplente pode usar a primeira parcela do 13º salário com inteligência financeira. Guardar o dinheiro, ou melhor, investi-lo é uma ótima forma de construir uma reserva de emergência, para contas não planejadas, como gastos com saúde ou manutenção de veículos ou eletrodomésticos. 

Marina DarieFormada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!
Veja mais ›
Fechar