3 em cada 10 brasileiros já fizeram empréstimos para familiares ou amigos

A facilidade de acesso ao crédito consignado e as linhas mais baratas de financiamento levaram quase 28% dos idosos, isto é, três em cada dez, a entrarem em um empréstimo para ajudar familiares ou amigos nos últimos meses.

De acordo com o dado, divulgado por um estudo na Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostra que 19,6% dos empréstimos ocorreram após pedido e outros 8,2% ofereceram a linha de crédito por conta própria.

Publicidade

Publicidade

Empréstimo para terceiros pode ser prejudicial
Empréstimo para terceiros pode ser prejudicial

Empréstimo era menor em 2018

Na mesma pesquisa realizada em 2018, o percentual de idosos que ajudaram os amigos ou a família com as linhas de crédito era de 25,7%, sendo 16,6% a pedido de familiares ou amigos e 9,1% por oferta própria.

As mulheres são as mais generosas (30,8%), conforme a pesquisa, seguida pelos idosos com mais de 71 anos (32%) e os membros das classes de renda mais baixa (28,7%). Em todos os casos, o auxílio é maior para familiares do que para terceiros.

O levantamento afirma que 78% dos idosos declaram que têm conta corrente e 72% possuem cartão de crédito. A chave Pix, de pagamento instantâneo, é utilizada por 52%.

Publicidade

Publicidade

Além disso, a pesquisa aponta que 71% dos idosos afirmaram que, no último mês, compraram algo que não precisavam apenas para aproveitar a facilidade do crédito. Este número é 25 pontos percentuais superior em relação ao ano de 2018.

No entanto, 23% dos idosos admitem que adquiriram algo sem necessidade, como celulares (5%), roupas (5%) e eletrodomésticos (5%).

Vale a pena emprestar meu nome?

O bom coração e a vontade em querer ajudar pode resultar em sérios problemas para muitas pessoas.

Dados do CNDL e do SPC Brasil afirmam que 1 em cada 10 brasileiros contrai dívidas por emprestar seu nome para terceiros.

Estes órgãos e os resultados das pesquisas citadas revelam outros dados importantes:

  • 2 em cada 3 brasileiros que emprestam o nome são mulheres;
  • 6 em cada 10 não sabem o valor do empréstimo feito pela outra pessoa, mas, R$ 3.700,00 é o valor médio do empréstimo/ compra feita pelo terceiro;
  • 7 em cada 10 não conseguiram um novo cartão de crédito ou cartão de uma loja por estarem com seu nome restrito por tê-lo emprestado.

A estimativa é que 15 milhões de brasileiros estejam inadimplentes por emprestar seu nome para terceiros e uma das causas mais comuns é que não houve avaliação do valor e para quem emprestou o nome.

Publicidade

Publicidade

Isso porque, geralmente quem solicita o empréstimo já possui restrições ao crédito e/ ou tem dificuldade para comprovar a renda ou ela está abaixo do valor exigido para o limite de crédito pretendido.

Riscos e consequências

Se você está indeciso se vai emprestar ou não seu nome, veja algumas situações que elencamos, seus riscos e consequências que podem ocorrer:

  • Caso a dívida não seja paga, o nome da pessoa que emprestou dinheiro será incluso em cadastros de instituições de proteção ao crédito, como SPC ou Serasa;
  • Com o nome restrito, ou sujo, você ficará impossibilitado de adquirir muitos bens, como casa própria, financiar um carro, contratar um empréstimo, conseguir um cartão de crédito ou serviços básicos, como internet, TV a cabo e celular pós-pago;
  • Você poderá sofrer cobranças via processos judiciais dos credores;
  • Por não acreditar que a dívida seja sua, você poderá adiar ou negar o pagamento, o que prejudicará ainda mais a situação;
  • Quem empresta o nome, salvo exceções, não tem nenhuma garantia de que a dívida será paga, portanto, saiba que ela sobrará para você!
  • Mais da metade dos inadimplentes que contraíram dívidas por emprestarem seu nome está nessa situação há 3 anos. O que prova que é uma situação difícil de resolver;
  • Seu relacionamento com a pessoa poderá mudar, devido à dívida não paga;
  • A vida da pessoa que emprestou o nome pode desestruturar emocional e moralmente, com perda de sono e autoestima, por exemplo.

Avalie bem a situação antes de dizer sim para o empréstimo do seu nome. Lembre-se que ele é o seu bem mais valioso e que merece proteção.

Bruna Santos
Jornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, atua na Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
FacebookInstagramLinkedinWikipédia

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário