Setor de academias é um do mais afetado pela pandemia: saiba o que estão fazendo para inovar

Setor de academias é um do mais afetado pela pandemia:
Ao fim do primeiro semestre, apenas os setores do agronegócio, energia, indústria e indústria de base tecnológica demonstraram melhora.

Os efeitos da pandemia de coronavírus não se limitaram à crise sanitária. Desde março do ano passado, a maior parte dos setores da economia também tem enfrentado grandes problemas no aspecto da arrecadação. Entre eles, destacam-se as empresas que atuam no setor fitness. 

De acordo com a 11ª edição da Pesquisa de Impacto da Pandemia de Covid-19 nas Micro e Pequenas Empresas, as academias sofreram uma redução progressiva na margem de lucro. Em fevereiro deste ano, por exemplo, essa taxa estava 42% menor do que o normal. Já em maio – um mês depois – passou para 52%.   

Publicidade

Publicidade

Os dados acima foram coletados e analisados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O respectivo levantamento mostra, ainda, que 72% dos gestores do setor estão com dificuldades em manter as portas abertas.  

Até agora, apenas os setores do agronegócio, energia, indústria e indústria de base tecnológica tiveram melhora. | Fonte: Google Imagens

A pesquisa recém-publicada também aponta que, diante da crise financeira pela qual o país passa, os donos de academias são os que mais recorrem a empréstimos bancários (55%), com objetivo de conseguir manter o negócio operando.  

Como as academias estão lidando com a crise fincanceira

Tendo em vista que as academias são espaços onde há contato físico, os governos estaduais emitiram diversos decretos ao longo dos últimos meses, que proibiam o funcionamento parcial, e às vezes integral, para conter a forte onda contaminação por Covid-19. 

Publicidade

Publicidade

Acontece que, a partir daí, os desafios dos empreendedores que atuam neste setor se tornaram cada vez maiores. De um lado, há o aumento nos gastos para a compra de materiais de limpeza, a fim de realizar a higienização constante dos aparelhos.  Do outro lado, tem a drástica redução na margem de lucros.

Afinal, não é mais possível receber o mesmo número de alunos nas unidades, já que foram implementadas normas de distanciamento social, necessárias para a segurança de todos. Em meio a tudo isso, se observa um movimento forçado de inovação, na tentativa de sobreviver aos obstáculos da atualidade.

Alguns estabelecimentos, por exemplo, passaram a oferecer treinos individualizados, com horário marcado. Outros optaram pela transmissão de aulas remotas, para que o aluno reproduza os exercícios em casa. 

Projeção para os próximos meses 

Segundo a pesquisa do Sebrae com a FGV, a possibilidade de melhora econômica para as academias é uma projeção em vista, mas que depende muito da agilidade do processo de vacinação no Brasil.  

A última pesquisa que fizemos sobre o impacto da pandemia, junto com a Fundação Getulio Vargas, deixou explícito que apenas a abertura das empresas e a diminuição das restrições não são suficientes para recuperar o faturamento. Sem vacinação, não há retomada”, avalia Carlos Melles, presidente do Sebrae.   

Vale lembrar que a suspensão dos protocolos de segurança e o retorno “à vida normal” com segurança só é possível depois que 70% da população brasileira estiver totalmente imunizada. Até o momento, o Ministério da Saúde informa apenas 13,7% das pessoas tomaram as duas doses da vacina contra a Sars-CoV-2. 

Fonte: Agência Brasil. 

Publicidade

Publicidade

Assuntos que podem te interessar: 

Ludmila CatharinaUma jornalista de 23 anos, nascida e criada no quadradinho. Encantada por literatura e todas as formas de comunicação. Antes de atuar como redatora, participei dos programas de estágio do Ministério da Justiça, da Defensoria Pública do Distrito Federal e da Câmara dos Deputados. Atualmente, ocupo o papel de estudante, mais uma vez, fazendo especialização em Comunicação Organizacional e Estratégias Digitais no Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB).
Veja mais ›
Fechar