Acessórios veiculares proibidos que podem gerar multas e muita dor de cabeça

No Brasil, é normal observar carros detendo acessórios que não saíram com ele de fábrica. Afinal, muitos brasileiros, seja por questões funcionais ou estéticas, gostam de modificar seus automóveis com acessórios veiculares.

Porém, há certas modificações que não são permitidas por lei. Então, para evitar encargos envolvendo infrações, continue a leitura deste post e fique por dentro dos 4 itens que podem gerar multas! Saiba mais a seguir.





Cuidado com os acessórios veiculares proibidos

Agente de trânsito vistoriando o tráfego de carros
Agente de trânsito vistoriando o tráfego de carros (imagem: reprodução/DETRAN/site Época Negócios)

Mudar o visual do carro é um hábito bastante popular. No entanto, nem todos os acessórios veiculares são permitidos.

Por isso, com a finalidade de evitar futuros constrangimentos no trânsito, abaixo, confira os 4 acessórios veiculares proibidos de usar:

1- Película escura

Por mais que torne o carro mais elegante e ao mesmo tempo confortante em dias ensolarados, a aplicação de películas (a depender do tipo utilizado) no vidro do automóvel pode resultar em problemas.





De acordo com a Resolução 254 do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), os vidros dos automóveis, que apresentam ou não película, precisam ter uma transparência mínima de 70% em áreas coloridas e 75% em áreas incolores — padrão estabelecido aos vidros laterais dianteiros.

Enquanto aos vidros traseiros, a estes, são permitidos uso de cor mais escura que apresente pelo menos 28% de transparência mínima, contanto que no lado direito, o automóvel esteja equipado com retrovisor externo.

É necessário que esse percentual fique gravado pela letra ‘G’ em cada película. Assim, baseado nessa marcação, o agente de trânsito ou o medidor de transmitância luminosa consegue saber se a aplicação está conforme a lei.

2- Faróis de xenônio customizados

Em 2 de junho de 2011, por meio da Resolução 384, o CONTRAN estabeleceu a proibição do uso de faróis de descarga de gás, caso o acessório veicular não seja original de fábrica.

Entretanto, há exceção aos automóveis que já possuíam o acessório customizado antes da emissão dessa resolução.

Assim sendo, no momento presente, os carros pegos com xenônio instalados que não são originais, estão sujeitos a ficarem retidos e, seus proprietários podem receber infração grave.

3- Engate aplicado por questão estética





Um dos acessórios veiculares que pode resultar em multas, se refere ao engate de reboque instalado sem a real necessidade de tê-lo.

Muitos motoristas têm um engate de rebote em seus carros por nutrirem a ideia de que tal item os ajudará a proteger a traseira do veículo em uma eventual colisão.

Em vista de que esse acessório é destinado a rebocar cargas, a sua instalação em carros que não possuem tração para isso, pode gerar multa por infração grave, além de retenção do veículo para que ele seja regularizado.

4- Envelopar carro sem modificar documento

Alguns proprietários de automóveis optam em envelopar seus carros ao invés de recorrerem à pintura, pois o envelopamento se mostra uma alternativa mais acessível no que diz respeito à mudança visual.



No entanto, segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), estar sob a posse de um veículo cuja cor foi alterada, resulta em infração grave. Além disso, o condutor vai ter o seu automóvel retido até que ele seja regularizado.



Assim sendo, com o intuito de evitar multas, se torna necessário emitir novos CRV e CRLV, constando que a cor do veículo foi modificada.

Paulo Victor Silva
Estudante do curso de Jornalismo pela UFES. Dono de uma mente inquieta e curiosa. Além disso, é amante de leitura e apaixonado por música.
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário