Alimentos ficaram 9% mais caros em junho – Ovos, Carne, Banana, saiba o que mais aumentou

O preço dos alimentos naturais sofreu uma alta média de 8,71% em maio deste ano, de acordo com o Índice de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista.

O levantamento apontou ainda que produtos vegetais e animais tiveram reajuste de 11,85% e 0,60%, respectivamente.

Publicidade

Publicidade

Preço dos alimentos de origem vegetal e animal sofre com aumentos consecutivos

O levantamento mostra ainda que a quebra da safra da cana-de-açúcar – causada por um longo período de estiagem logo nos primeiros meses de 2021 – provocou tal elevação no IqPR.

Prova disso pode ser observada quando no índice geral de +0,60% e de +1,35%  para produtos vegetais que apresentaram altas menos expressivas sem considerar a cana-de-açúcar no cálculo.

Alimentos que estão mais caros

Para além, o Índice de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista observou que dos 16 produtos analisados, oito sofreram elevação de preços em maio deste ano.

Publicidade

Publicidade

Com isso, os reajustes são de +19,32% para tomate para mesa, 18,65% para cana-de-açúcar e +12,24% para carne de frango. 

As quedas ficaram por conta da carne suína, chegando a -8,05%, da banana nanica  com -7,37% e dos ovos  com -5,88%.

Acúmulo de preços

Considerando o acumulado do mês de maio do ano passado com o mesmo período deste ano, os reajustes foram positivos e chegaram a 47,02%. 

No entanto, somente nos cinco primeiros meses de 2021 as altas foram progressivas e ininterruptas e chegaram a um reajuste de 15,97% no IqPR.

Dentro de um intervalo de 12 meses, a alta de produtos de origem animal chegou a 43,45% e 55,77% para produtos de origem vegetal. Desses produtos os que mais apresentaram aumento foram milho (112,33%), algodão (92,66%) e carne de frango (87,15%).

Grãos

Apesar do aumento nos preços houve queda na estimativa de produção de grãos no Brasil, especialmente do milho, por baixas chuvas. Esse processo impacta diretamente o preço de produtos alimentícios para o consumidor final.

Publicidade

Publicidade

A previsão da Companhia Nacional de Abastecimento em maio era de coletar 106,4 milhões de milho na temporada 2020/2021, mas a projeção foi revisada para 96,39 milhões de toneladas em junho.

Sendo assim, a safra de grãos poderá render somente 262,13 milhões de toneladas no período calculado, mas se manterá acima da safra de 2019/20.

Laticínios

Tal anúncio eleva o preço de vários produtos como a carne de boi, pois o animal se alimenta basicamente do milho, além do insumo estar alto e com boa demanda no exterior.

Mas não é somente a carne que pode ser afetada. O leite e os derivados também podem sofrer reajuste.

Publicidade

Os ovos, por exemplo, além de sofrerem reajuste também se apresentam com baixa disponibilidade e a demanda impulsiona as cotações da proteína.

Publicidade

No momento as granjas tentam controlar a produção, mas os vendedores observam resistência dos compradores por conta dos consecutivos aumentos de preços do produto.

Outros fatores que contribuíram para o aumento de preços no segmento de laticínios foram a falta de matéria prima para produção de embalagens de plástico, vidro e alumínio e a falta de chuva nas pastagens.

A fome no Brasil

O problema da alta nos preços dos alimentos pode ser observado em outros fatores que estão indiretamente vinculados à fome no país.

Publicidade

Publicidade

De acordo com o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar, houve retrocesso nos dois últimos anos e a fome saltou de 10,3 milhões para 19,1 milhões.

Além disso, os preços dos insumos da cesta básica ficaram 16,79% mais caros em alguns lugares do Brasil somente na última semana.

Fontes: O Tempo, Folha da Região, O Presente Rural, FDR e EcoDebate.

Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.
Linkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário