Preço do gás de cozinha deve continuar a aumentar em 2021 – Entenda o porquê

A partir desta segunda-feira (14 de junho) o preço do gás de cozinha vai ficar mais caro, de novo. O preço médio foi reajustado numa média de 5,9% e agora o quilo do gás custa R$ 3,40. O aumento representa uma média de R$ 0,19 por kg.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, somente no último mês o preço do gás de cozinha subiu em média 1,24% e o gás encanado 4,58%. Desde o início do governo Bolsonaro, o produto acumula alta de 57% nas refinarias da Petrobras.

Publicidade

Publicidade

Devido a alta de preços, em algumas distribuidoras o botijão de 13kg foi encontrado a R$ 100,00 em algumas distribuidoras de São Paulo em maio de 2021. Com o novo aumento, a tendência é que o recorde seja batido novamente.

Gás caro causa fome e mortes por queimadura

Por que o gás de cozinha está tão caro?

O aumento no valor de ambos os produtos se dá por conta do preço do petróleo, a principal matéria-prima para produtos que utilizam indiretamente a queima de combustível fóssil.

Mas o motivo não é só esse, pois é preciso levar em consideração que a commodity é negociada em dólares e, atualmente, cada dólar equivale a aproximadamente R$5.

Publicidade

Publicidade

Só para se ter uma ideia, o barril do petróleo Brent foi negociado na última semana por US$72,40 e em diversas regiões do país já é possível encontrar botijões de 13kg por R$100 ou mais.

Lucro antes da fome

A fim de reduzir os impactos socioeconômicos causados pelo novo coronavírus, o governo decidiu zerar a alíquota do Programas de Integração Social e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social, pois ambos incidem sobre o gás de cozinha.

No entanto, a medida de redução no preço não foi observada pelo consumidor final, pois as empresas não repassaram o valor a fim de garantir a margem de lucro. 

Cuidado com o fogo

Em agosto de 2020 a pobreza atingia 9,5 milhões de brasileiros, mas com o nível chegando a 27 milhões em fevereiro deste ano, como afirmam os dados da Fundação Getúlio Vargas, não é surpresa que o acesso ao gás de cozinha seja um problema social evidenciado pela pandemia.

A alternativa mais econômica encontrada pela população para não passar fome foi a utilização de substâncias inflamáveis para cozinhar. A consequência disso pode ser observada por meio das 266 mortes e 5.879 internações registradas no país em 2020 por queimadura.

Conforme dados coletados pela Sociedade Brasileira de Queimaduras pelo menos uma pessoa morreu a cada dois dias e 16 foram internadas diariamente por conta da exposição à combustão de materiais, substâncias inflamáveis, fogo, fumaça e chamas.

Publicidade

Publicidade

Vale reforçar que a análise não considerou os atendimentos de grau leve que não resultaram em vítimas fatais nem em internações.

Barriga na miséria

Com o aumento no preço do gás de cozinha e alto índice de pobreza , especialmente diante de uma das maiores crises sanitárias que o Brasil enfrenta, a fome tem atingido mais da metade da população brasileira.

Dados alarmantes registrados pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional mostram que cerca de 116,8 milhões de pessoas estavam em situação de insegurança alimentar no último trimestre do ano passado.

Do total, aproximadamente 19,1 milhões, ou seja, cerca de 9% da população, estavam literalmente passando fome

Publicidade

Uma análise dos dados aponta para uma queda drástica no índice de fome no país e que pode ser comparada ao ano de 2004, quando 9,5% da população brasileira não tinham nem o que comer.

Publicidade

Vale ressaltar que desde 2014 o Brasil não fazia mais parte do Mapa da Fome, pois se encontrava acima do nível definido pela Organização das Nações Unidas, 5%, para o processo de subalimentação.

Contudo, um panorama geral do estudo também demonstra que, apesar do retrocesso ter iniciado em 2013 sob o governo da ex-presidenta da república Dilma Rouseff, o período mais acentuado no aumento da fome foi observado entre os anos de 2018 e 2020 quando chegou a 27,6% e voltou a fazer parte do Mapa da Fome.

Fonte: Marco Zero, Jornal Nacional e CNN

Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.
Linkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário