Auxílio Emergencial: Há pressão para que o benefício seja prorrogado até novembro

Segundo reportagem do jornal A Folha de São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro vem sendo pressionado pelo congresso para criar um programa social que substitua, e prorrogue, o auxílio emergencial. 

O pedido tem como base os efeitos causados pela pandemia e, principalmente, atraso na chegada e aplicação das vacinas contra a covid-19. 

Ainda de acordo com a reportagem, congressistas governistas disseram ao presidente que, caso a ampliação do Bolsa Família não ocorra até julho, passarão a defender que o auxílio emergencial seja prorrogado até novembro. 

app Auxílio Emergencial
Auxílio Emergencial: Há pressão para que o benefício seja prorrogado até novembro

Auxílio emergencial: O que diz o presidente?

Diante das pressões, o presidente afirmou, em conversa com eleitores, que pretende ampliar e aumentar o valor médio recebido pelos beneficiários do Bolsa Família para R$ 250. 

Atualmente, o ticket médio gira em torno dos R$ 190. 

Entretanto, a quantia não foi considerada satisfatória. Nem mesmo os integrantes do governo apoiaram o valor. Sendo assim, a pressão agora é para que haja aumento para, pelo menos, R$ 270, além do aumento de beneficiários. 

Otimização do Bolsa Família

Em resposta à Folha de São Paulo, o Ministério da Cidadania afirmou que trabalha na otimização do Bolsa Família e que pretende lançar a reformulação do programa após a última parcela do auxílio emergencial. 

Vale lembrar que essa última parcela deve ocorrer em agosto, caso não haja uma nova prorrogação.

O que é o Bolsa Família

Enquanto um novo modelo do auxílio emergencial não é moldado, o Bolsa Família atende famílias em estado de vulnerabilidade social. 

O programa, hoje em dia, é a união de diversos benefícios. Ainda assim, cada família pode acumular até cinco benefícios, com exceção do Benefício Jovem. 

O valor recebido é variável, conforme a composição familiar, seguindo esses requisitos:

  • Benefício para crianças e adolescentes de 0 a 15 anos: R$ 41;
  • Benefício para gestantes (duração de nove meses): R$ 41;
  • Benefício para nutrizes (crianças entre 0 a 6 anos): R$ 41;
  • Benefício variável jovem (adolescentes entre 16 e 17 anos – cada família pode acumular até dois): R$ 48;
  • Benefício de superação a pobreza: valor variável.

Como dito, há pressão para que o governo amplie o Bolsa Família e passe a oferecer novos valores. Também está sendo estudada a possibilidade de acrescentar novos benefícios, como:

  • Auxílio-creche: R$ 52,00
  • Bônus anual para o melhor aluno: R$ 200,00
  • Bolsa mensal de R $100,00, mais um prêmio anual para o estudante destaque na área científica e técnica: R$ 1.000,00

Quem pode receber o Bolsa Família

Hoje em dia, para participar do programa, as famílias precisam ter renda per capita mensal de até R$89,00 ou de até R$178,00. 

Nesse último caso, só são contempladas as famílias que tenham em sua composição:

  • Gestantes
  • Nutrizes
  • Crianças e adolescentes até 17 anos.

Além disso, é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único do Governo Federal – o CadÚnico. Lembrando que os dados devem estar sempre atualizados. 

O que é o Auxílio Emergencial

O auxílio emergencial foi criado em 2020 com a intenção de reduzir os impactos da pandemia da Covid-19. Agora, como vimos acima, há a intenção de integra-lo ao bolsa família e fazer a ampliação, para atender mais pessoas. 

Atualmente, os critérios para solicitar o auxílio são:

  • Ter recebido o auxílio emergencial em 2020
  • Ser trabalhador informal ou beneficiário do Bolsa Família 
  • Ter renda familiar mensal de até três salários mínimos (Atuais R$ 3.300)
  • ter renda familiar per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (Atuais R$ 550).

Os valores recebidos dependem da situação de cada usuário. Sendo: 

  • Para quem mora sozinho: R$ 150
  • Famílias com mais de uma pessoa e que não são chefiadas por mulheres: R$ 250 
  • Famílias chefiadas por mulheres: R$ 375.

Fonte: Folha de S. Paulo

Amanda Lino
Jornalista com mais de 8 anos de experiência. Trabalhou como redatora, repórter e produtora na emissora Nossa Rádio FM e produtora na Metropolitana AM, depois foi diretora-geral do conhecido podcast Mamilos, passou por algumas agências de São Paulo e Rio de Janeiro e agora, além de colaboradora da WebGo Content, é Copy Content na In House da divisão agrícola da Bayer e Host/Criadora do podcast "Me Empresta Seus Óculos".
InstagramLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário