Como comprar crédito de carbono? Para que serve?

Os créditos de carbono basicamente são unidades de medida que representam uma tonelada de dióxido de carbono equivalente. 

Tais medidas são utilizadas para calcular a redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE), bem como o possível valor de comercialização.

Publicidade

Publicidade

Saiba como funciona a venda de crédito de carbono

Os países que realizam ações para reduzir as emissões de gases do efeito estufa são recompensados com certificações de redução que correspondem a créditos de carbono. 

Nesse caso, os créditos de carbono podem ser comercializados com os países que não realizam ações de redução de emissões.

Venda de crédito de carbono

Uma das empresas que atua com a venda de créditos de carbono é a Carbonext. Recentemente a empresa anunciou uma calculadora que possibilita fazer uma estimativa da quantidade de carbono que as pessoas emitem. 

Publicidade

Publicidade

Para fazer o cálculo é necessário responder algumas perguntas como, por exemplo, quantas vezes por ano essa pessoa realiza viagens de avião, quanto consome de eletricidade e gás e quanto tempo utiliza transportes públicos e carros particulares na semana.

Já para as empresas as perguntas são personalizadas de acordo com a quantidade de colaboradores que utilizam carro para trabalhar, por exemplo.

Ao final das respostas é possível saber o volume das emissões e quantos créditos de carbono devem ser adquiridos para compensar os recursos utilizados. 

Para comprar o crédito é necessário fazer uma assinatura mensal de acordo com a quantia desejada.

Assim que a compra for realizada o consumidor ganha um certificado assegurando que adquiriu carbono neutro pelo prazo de um ano.

Emissão no Brasil

A emissão média do brasileiro é de aproximadamente 10,4 toneladas de CO2 todos os anos. 

Publicidade

Publicidade

A fim de compensar esse consumo seria necessário comprar R$63,51 de carbono por mês, com base no valor do carbono a R$72 cada tonelada. 

Dessa forma, do total pago, cerca de 70% poderia ir para projetos apoiados. Essa parcela se enquadra na categoria de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal. 

Ou seja, são projetos que asseguram que parte da floresta permaneça em pé, como é o caso da Fazenda Ituxi, localizada em Lábrea, no sul da Amazônia.

Além de vender carbono, a empresa Carbonext também desenvolve e administra tais projetos. 

Publicidade

Atualmente, os principais clientes da empresa são grandes companhias, mas a Carbonext mantém 30% dos créditos disponíveis para pessoas físicas e pequenas empresas para democratizar o mercado.

Publicidade

Desde quando implementou os negócios, há cerca de dez anos, a Carbonext já garantiu a preservação de aproximadamente 500 mil hectares de florestas, bem como neutralizou 1,3 bilhão de toneladas de carbono.

Mercado

No momento existem dois segmentos de mercado de crédito de carbono.

O segmento de compliance é utilizado por países e empresas que comercializam créditos de modo que consigam atingir as metas de redução de emissões.

Publicidade

Publicidade

Já o segmento voluntário é utilizado por companhias e pessoas que desejam neutralizar suas emissões por pressão social ou conscientização diante das questões climáticas.

Em relação ao segmento voluntário, a movimentação global é de aproximadamente 100 milhões de toneladas de carbono por ano, chegando a 1% do total. 

Apesar de não ser regulado, existe certificação internacional e no Brasil só existe essa modalidade de serviço.

Movimentações

Na plataforma Moss, empresa que atua no voluntariado, foram movimentados cerca de R$70 milhões no último ano.

Do total, aproximadamente 85% de pessoas físicas utilizaram o crédito de carbono para neutralizar 1,5 milhão de toneladas de carbono.

O valor arrecadado foi utilizado para remunerar os moradores da Amazônia que participam de projetos responsáveis por preservar 1,5 hectares de floresta, o que representa praticamente toda a cidade de São Paulo.

A compensação de emissões é realizada com base no MCO2, um criptoativo desenvolvido pela start-up. 

Para isso, um token de MCO2 representa um crédito de carbono que deixa de ser emitido na atmosfera.

A plataforma também conta com uma calculadora capaz de estimar a pegada de carbono dos clientes, mas assegura aos usuários a compra de créditos como investimento.

Fontes: IG e eCycle.

Julia é formada em jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo e, no momento, atua como redatora para o portal NoDetalhe. Ao longo da carreira, a jornalista tem se especializado em produção de conteúdo otimizado para motores de busca e conversão, além de gerenciamento de mídias sociais e marketing digital.
Linkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário