Financiamento de veículos usados cresce 9,7% em agosto

Em agosto, segundo dados da B3, no Brasil foram financiados 527 mil veículos (23 mil a mais comparado ao mesmo mês do ano passado), o que representa alta de 4,6% no período. Este aumento teve destaque no seguimento de financiamento de veículos usados, visto que a venda de modelos novos continua impactada.

Assim, conforme levantamento realizado pela B3, o mês de agosto teve aumento de 9,7% no financiamento de veículos usados; já os veículos novos sofreram queda de 6,4% no mesmo período.

Publicidade

Publicidade

Confira a seguir o que significa essa queda na venda de veículos novos e o crescimento no financiamento de automóveis usados.

Aumento na procura por carros usados

Financiamento de veículos usados
Financiamento de veículos usados cresce em agosto (imagem: reprodução/site O Especialista)

De acordo com levantamento feito pela Kelley Blue Book Brasil (KBB), organização especializada em pesquisas de veículos novos e usados, o primeiro trimestre de 2021 comparado ao mesmo período de 2020 teve aumento no preço dos veículos usados, cerca de 13,04%.

Nessa mesma pesquisa, em vista dos automóveis usados, os veículos considerados “mais velhos” obtiveram maior alta de preços (15,01%) no período analisado. Resultando assim, em uma elevação acima da média.

Publicidade

Publicidade

Diminuição na procura por carros novos e seminovos

Em 2020, o mercado de carros foi marcado pelo aumento da participação do financiamento de veículos usados e seminovos.

Isso é explicado pela ausência de peças que as montadoras encararam durante a pandemia e, por conseguinte, culminando na alta dos preços de veículos novos, fizeram com que os consumidores brasileiros buscassem a aquisição de automóveis usados.

À primeira instância, a escassez de semicondutores (exemplo de peça automotiva) em decorrência de restrições da pandemia de covid-19 não representou grandes transtornos às concessionárias, pois, elas se encontravam fechadas.

No entanto, conforme as lojas começaram a reabrir gradualmente, a demanda reprimida explodiu e, com isso, nem todas as pessoas que estavam à procura de um automóvel foram atendidas.

Aumento do valor dos veículos

Selecionamos abaixo os principais fatores que elevaram o preço dos automóveis. Confira:

Paralisação de fábricas

A escassez mundial de semicondutores, que foi impulsionada pela pandemia, prejudicou tanto à produção de smartphones quanto a cadeia automotiva. Esta, tem como exemplo o Chevrolet Onix, que deixou de ser fabricado em 5 de abril.

Publicidade

Publicidade

Com isso a disponibilidade de carros zero-quilômetro foi comprometida, resultando na impossibilidade de atender a demanda.

Esse desequilíbrio entre oferta e procura ocasionou no aumento dos preços de alguns produtos, como é o caso dos carros.

Baixo estoque de veículos usados e seminovos

Outro fator responsável por fazer com que os preços sejam jogados para cima, diz respeito a baixa quantidade de carros classificados como usados e seminovos nas lojas independentes e concessionárias.

O tempo entre a compra e a sua respectiva revenda, conhecido como “giro” dos carros de segunda mão, acerca de um ano era superior a dois meses. No momento, caiu para 30 dias.

Publicidade

Em vista disso, para compensar a queda no volume de veículos comercializados, lojistas independentes e concessionárias elevaram o preço dos automóveis.

Publicidade

Insumos e logística

Além da escassez de semicondutores, outros insumos e serviços primordiais na produção automobilística se tornaram ainda mais caros nos últimos dois anos, elevando o preço dos veículos.

Segundo divulgação realizada de janeiro de 2020 a janeiro de 2021 pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), o Brasil teve elevação no valor do aço, de resinas e elastômeros, no frete aéreo e marinho.

Além disso, entra em cena o valor da conta de energia, que tem subido neste ano devido à escassez de chuvas, o que faz com que a geração de energia hidrelétrica seja afetada, levando a recorrer às usinas térmicas, cujo valor de custo é maior.

Publicidade

Publicidade

Veja também: Seguro de carros vão ficar mais baratos após flexibilização

Fontes: G1, Uol

Estudante do curso de Jornalismo pela UFES. Dono de uma mente inquieta e curiosa. Além disso, é amante de leitura e apaixonado por música.
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário