Índice de desemprego cai para o mesmo patamar de agosto de 2020

De acordo com dados divulgados pelo Indicador Antecedente de Emprego o mês de agosto fechou com houve 90,1 pontos, chegando ao quinto mês consecutivo de alta.

O número é o maior patamar do índice registrado desde fevereiro de 2020 quando marcou 92 pontos. A informação foi divulgada hoje (8) pela Fundação Getúlio Vargas.

Publicidade

Publicidade

Flexibilização

Segundo Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia, o aumento de 0,9 ponto do IAEmp no mês corresponde a flexibilização das medidas de contenção adotadas durante a pandemia da Covid-19 que promoveu a reabertura das atividades econômicas.

Desemprego durante a pandemia poderá impactar a economia nos próximos anos

“O resultado mais tímido do indicador nesse mês sugere que essa recuperação ainda deve ser gradual. O controle da pandemia e a melhora do setor de serviços, setor que mais emprega, são fundamentais para a continuidade desse cenário positivo”, comenta Tobler.

Em agosto, o IAEmp apresentou quatro resultados positivos dos sete componentes e o destaque foi por conta do indicador que mensura a situação corrente dos negócios no segmento de Serviços, que saltou 7,4 pontos.

Publicidade

Publicidade

Pós-pandemia

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, houve queda de 14,1% na taxa de desemprego no segundo trimestre, mas cerca de 14,4 milhões de pessoas ainda estão sem emprego.

O economista da FGV, Fernando Veloso, apontou que o cenário de desemprego poderá ser mais afetado no pós-pandemia.

Para demonstrar a opinião, Veloso explicou que assim como a crise entre 2014 e 2016 impactou no período de recuperação da força de trabalho, o mesmo processo pode ocorrer quando a pandemia do novo coronavírus passar.

O economista também evidencia que as estatísticas de desemprego têm que tomar cuidado para mensurar os danos do mercado de trabalho. Porque houve brasileiros que simplesmente deixaram de procurar emprego e vão ter dificuldade de retornar após a crise sanitária”.

Desemprego a longo prazo

Seguindo a linha de raciocínio, Veloso diz ainda que “À medida que a pessoa perde contato com a força de trabalho, se torna mais defasada em termos de conhecimento técnico e tecnológico”.

Uma análise foi realizada por Fernando Veloso em relação ao estudo da secretaria do Ministério da Economia sobre os desempregados de longo prazo.

Publicidade

Publicidade

Diante dos dados foi possível constatar que a maioria das pessoas afetadas são mulheres e jovens, “não chega a ser surpreendente”, comenta Veloso. 

“Os grupos identificados têm maior dificuldade na inserção na força de trabalho e estão muito presentes no setor informal e na taxa de desemprego”, explicou o economista.

Fernando aponta ainda que tal cenário é “um problema crônico” e ainda ressalta que os problemas não podem se resumir aos jovens e que as autoridades precisam “pensar em políticas mais amplas de inclusão” para empregar todos os grupos.

Desemprego

No trimestre que se encerrou em maio apontou a taxa de desemprego em 14,6%. Tal número equivale a 14,8 milhões de pessoas segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios.

Publicidade

No entanto, ao considerar a parcela da população subutilizada o número vai para 32,9 milhões.

Publicidade

De acordo com Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, o processo de recuperação dos postos de trabalho dependerá do crescimento do país nos próximos anos. 

Segundo projeções recentes do boletim Focus, do Banco Central, a taxa de desemprego permanecerá em alta até 2023, podendo voltar ao nível de antes no segundo semestre.

Queda na renda

O economista Marcelo Neri, da Fundação Getúlio Vargas, comenta que a causa da queda de 11,5% da renda da metade mais pobre da população ocorreu por conta do aumento do desemprego.

Publicidade

Publicidade

“A redução de renda dos ocupados fruto da aceleração da inflação e do próprio desemprego e a redução da jornada de trabalho completam a queda de renda dos pobres entre o último trimestre de 2019 até o segundo trimestre de 2021 como aproximação dos efeitos totais da pandemia”, aponta Neri.

Além da metade mais pobre da população, os idosos foram os mais afetados com quedas  de 14,2% na renda média.

Conforme a FGV, esse fator justifica a perda de oportunidades no mercado de trabalho para esse grupo em específico, especialmente por serem mais suscetíveis à Covid-19.

Os nordestinos também tiveram redução de 11,4% de perda em relação a 2019, enquanto a região Sul foi impactada com queda de 8,4%.

As mulheres também sofreram redução na renda de 10,35%, contra 8,4% entre os homens.

Fonte: R7, CNN, UOL, CNN.

Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.
Linkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário