Inflação do aluguel aumenta 0,78% em julho e acumula 33,83% em 12 meses

Conforme o Índice Geral de Preços-Mercado – IGP-M -, que é o parâmetro usado como reajuste no contrato de aluguel em todo o país, foi registrada uma inflação de 0,78% no mês de julho desse ano, uma taxa considerada maior do que o 0,60 de junho.

Diante desse resultado, o IGP-M tem um acúmulo de 15,98% ao ano, sendo 33,83% registrado no período de 12 meses, conforme dados da Fundação Getúlio Vargas – FGV -, que foi a responsável pela execução da pesquisa.

Publicidade

Publicidade

A alta no mês de junho para o mês de julho aconteceu principalmente pelos valores no atacado e também no varejo. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que é usado para medir o atacado, teve uma alta de 0,42% no mês de junho para 0,71% em julho.

Enquanto isso, o Índice de Preços ao Ao Consumidor, do qual apura essa quantia no varejo, passou de 0,57% para 0,83% nesse mesmo período.

Já de contrapartida, a inflação do Índice Nacional de Custo da Construção caiu de 2,30% no mês de junho para 1,24% no mês de julho.

Publicidade

Publicidade

Valores dos aluguéis em cada estado brasileiro

Inflação do aluguel aumenta 0,78% em julho e acumula 33,83% em 12 meses
Inflação do aluguel aumenta 0,78% em julho e acumula 33,83% em 12 meses. Foto: Reprodução/R7.

Veja abaixo a quantia dos aluguéis por metros-quadrados em cada estado brasileiro, conforme pesquisa realizada pela FIPE e Grupo ZAP:

  • São Paulo (SP) – preço médio por m²: R$40,01;
  • Barueri (SP) – preço médio por m²: R$36,77;
  • Santos (SP) – preço médio por m²: R$32,43;
  • Brasília (DF) – preço médio por m²: R$32,28;
  • Recife (PE) – preço médio por m²: R$31,94;
  • Rio de Janeiro (RJ) – preço médio por m²: R$31,11;
  • Florianópolis (SC) – preço médio por m²: R$26,86;
  • Praia Grande (SP) – preço médio por m²: R$24,82;
  • Porto Alegre (RS) – preço médio por m²: R$24,73;
  • Salvador (BA) – preço médio por m²: R$24,39.

O que interfere no aumento do IGP?

Conforme dados divulgados pela FGV, os valores das commodities que são negociadas em dólar, pressionaram novamente a inflação par o produtor, sendo que um dos principais componentes é o IGM-M.

Para alcançar esse índice, a FGV fez um cálculo médio das variações dos valores para os consumidores, para os produtos e por fim, na construção civil.

O IPA, teve um avanço de 5,23% no mês de maio, visto que a maior influência acabou acontecendo pelo aumento do minério de ferro, onde diante de uma redução de 1,23% no mês de abril, cresceu para 20,64% no mês de julho.

Outra questão que tem grande influência é a cana de açúcar (18,65%) e o milho (10,48%), onde esses produtos juntos tem uma representação de 62,9% da alteração do IPA no mês de maio.

O que faz a composição do IGP-M?

Muitas pessoas possuem dúvidas sobre o que realiza a composição desse índice. Veja mais informações abaixo e compreenda:

  • 60%: o IPA – Índice de Preços ao Produtor Amplo -, é a variação do preço verificado pelos produtores, do qual recebe muita influência do dólar;
  • 30%: o IPC – Índice de Preços ao Consumidor -, do qual acompanha o movimento dos valores para o consumidor final;
  • 10%: o INCC – Índice Nacional de Custo da Construção -, que faz a verificação da mudança dos materiais de construção e da mão de obra.
Publicidade

Publicidade

As commodities fazem parte do grupo de matérias primas brutas, gerando assim a inflação dentro do atacado. No mês de abril, elas sofreram com uma alta de 1,28%, sendo que nesse mês, passaram para 10,15%.

Dentro do IPC, 5 dentro das 8 classes das despesas, tiveram certa variação positiva no mês de maio, sendo que a maior motivadora é dos gastos com habitação, principalmente pelo aumento da energia elétrica.

Com um avanço de 0,06% no mês de abril, a conta de luz acabou passando para 4,38% no mês de maio dentro dos orçamentos da família brasileira.

O outro item que compõe o IGM-M, o INCC, teve uma alta de 1,80%, onde todos esses três componentes, que são geralmente materiais e equipamentos, além de serviços e mão de obra, tiveram uma mudança positiva no mês de maio.

Publicidade

Conforme a FGV, essa alta que acabou se acumulando nos materiais, equipamentos e serviços é na quantia de 27,02%.

Publicidade

No mês de maio, as principais influenciadoras diante da inflação da construção foram advindas dos tubos e conexões de ferro e aço, com uma variação ao mês de 9,40%, além do PVC, com um aumento de 5,37%.

Agora que você já sabe mais sobre o aumento de demais categorias de produtos no Brasil, e como isso tem influencia direta no valor dos alugueis em nosso país, continue acompanhando nosso site para receber essa e demais notícias relacionadas.

Fonte: Agência Brasil, Folha e Invest News

Avatar
Jornalista formada pela PUCPR viciada em música de todos os tipos, livros e séries. Mestre em curiosidades inúteis, está sempre procurando fugir da rotina.

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário