Inflação pode aumentar para 7,9% em 2021: saiba como isso afeta seu bolso

O Ministério da Economia elevou a projeção da inflação para este ano. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que embasa o reajuste do salário mínimo, deverá fechar 2021 em 8,4%.

Saiba que essa alta vai pressionar ainda mais o Orçamento de 2022, pois o governo federal considerou inflação de 6,2%.

Publicidade

Publicidade

Inflação pode aumentar ainda este ano. Foto: Istock
Inflação pode aumentar ainda este ano. Foto: Istock

Inflação pode aumentar gastos públicos

É importante saber que o novo aumento pode pressionar também os gastos públicos, pois o salário mínimo, aposentadoria e pensões são corrigidas por esse indexador.

A expectativa é que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) feche em 7,9%, em julho, quando a previsão era 5,9%, que já estourava o teto da meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), conforme O Globo Economia pontuou em uma matéria.

Vale lembrar que o IPCA mede a inflação oficial do país. A meta para este ano é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Ou seja, o teto é de 5,25% e o piso é 2,25%.

Publicidade

Publicidade

O governo federal manteve a previsão do Produto Interno Bruto (PIB), de avanço de 5,3% para o ano. Já para 2022, a projeção é de crescimento de 2,5%. Mas, é importante saber que vários bancos e consultorias já estão trabalhando com variação inferior a 1% no ano que vem.

Informações foram divulgadas pelo Boletim Macrofiscal da Secretaria de Política Econômica

As estimativas foram divulgadas na última quinta-feira no através do Boletim Macrofiscal da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia.

“O valor projetado (da inflação) encontra-se acima da meta de inflação de 3,75% para o ano de 2021, bem como acima do limite superior do intervalo de tolerância”, reconheceu a pasta no boletim.

Pandemia e crise hídrica são alguns dos riscos

A pasta atribuiu o desempenho da atividade econômica brasileira no primeiro semestre de 2021 à retomada do setor de serviços, que foi paralisado devido à crise sanitária causada pela pandemia de covid-19.

Segundo as informações do Boletim da SPE, a vacinação contribuiu para o crescimento do setor de serviços e a expectativa é que isso melhore cada vez mais.

O avanço da vacinação em massa e a flexibilização das restrições à mobilidade têm contribuído para o crescimento do setor. Com a continuidade do processo de vacinação, espera-se a manutenção da tendência do setor com impactos positivos no mercado de trabalho, principalmente o informal”.

Além disso, a pasta afirmou, conforme divulgou o Globo Economia, que para 2022 o cenário é positivo e se justiça pela continuidade da expansão do setor privado, bem como seus efeitos positivos das reformas pró-mercado e do processo de consolidação fiscal, que precisa ser aprofundada.

Publicidade

Publicidade

No entanto, de acordo com a Secretaria de Política Econômica, a crise hídrica e o aumento dos casos de covid-19 são listados como riscos ao desempenho da economia.

Contudo, salienta-se que os riscos no cenário prospectivo, principalmente o hidrológico e um possível recrudescimento da pandemia, devem ser observados com cautela, avaliando os seus impactos para a economia brasileira”, diz o boletim.

O secretário da SPE, Adolfo Sachsida, foi questionado, pelo site Exame, sobre as expectativas do mercado para o crescimento da economia brasileira, que vem sendo revisadas para baixo.

Mas, ele afirmou as projeções serão refeitas pelos analistas apenas quando os projetos que o governo considera “game changer”, um divisor de águas, sejam aprovados.

A reforma do imposto de renda e a PEC dos Precatórios, junto com toda a nossa agenda — mas o imposto de renda e os precatórios são game changer —, assim que nós aprovarmos nós vamos dar toda a segurança para o mercado e o nível de ruídos vai cair bastante e, tenho certeza, as expectativas de crescimento para 2022 vão melhorar bastante”, revelou à Exame.

Fonte: O Globo Economia e Exame

Publicidade

Bruna Santos
Jornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, atua na Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
FacebookInstagramLinkedinWikipédia

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário