Juventude brasileira está frustrada e pretende deixar o país

Os jovens brasileiros nunca estiveram tão insatisfeitos. Sem perspectivas de trabalho ou educação, 47% da população entre 15 e 29 anos revela ter vontade de deixar o país. 

Os dados foram revelados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) por meio de pesquisas qualitativas e quantitativas com 2.600 jovens e contrapondo  dados do Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE), Nações Unidas e outras instituições referências em estudos científicos.

Publicidade

Publicidade

Juventude brasileira descontente
Jovens em ato de manifestação em maio de 2021 em Salvador | Imagem: Jornal do Brasil

O descontentamento do jovem brasileiro

Se fosse para levar em conta somente a teoria, o Brasil era para estar vivendo o auge de seu crescimento econômico. 

Afinal, de acordo com as principais teorias econômicas o crescimento da população  jovem – chamado academicamente de bônus demográfico –  é a oportunidade para qualquer país em desenvolvimento aumentar a força de trabalho e produção tecnológica.

Esse auge representa cerca de 50 milhões de brasileiros entre 15 e 29 anos, uma mão de obra que – se fosse qualificada e valorizada – poderia produzir muita riqueza.

Publicidade

Publicidade

Entretanto, por aqui acontece exatamente o oposto.

Pouco mais de 70%  dos jovens apelidados de “nem-nem” porque nem estudo e nem trabalham têm dificuldades para se inserir num mercado de trabalho competitivo, que exige muita experiência para pouca idade.

A falta de oportunidade eminente faz com que 51,9% dos brasileiros considere o Brasil um país pobre.

A percepção de pobreza presente em 2021 só não é tão ruim quanto em 2014, quando o país viveu uma de suas piores recessões econômicas.

De lá para cá, os jovens foram mais excluídos socialmente do que nunca. Afinal, a população de 20 a 24 anos viu sua renda diminuir em até cinco vezes. Já os adolescentes, tiveram um encolhimento de renda em sete vezes. 

Com a chegada da pandemia do coronavírus, grande parte dos jovens não só viram a renda encolher como desaparecer. Na faixa etária entre 15 a 29 anos, a desocupação saltou de 49,5% em 2018 para 56,3% em 2020.

A Fuga de Cérebros

Publicidade

Publicidade

Além da dificuldade no mercado de trabalho, os jovens também se demonstram indignados com a gestão política do país.

Segundo dados do Gallup World Poll,  60,6% dos jovens brasileiros não aprovam a condução dos últimos governos, sobretudo a respeito do investimento na educação e inovação.

Apesar de o país ter avançado nas métricas das últimas décadas os índices gerais ainda são pífios. Mais da metade (51,2%) das pessoas com 25 anos ou mais não concluir nenhuma das etapas do ensino infantil, fundamental e médio.

A média geral do brasileiro é bem pior do que a maioria dos países participantes da Organização para Cooperação e Desenvolvimento (OCDE). No ranking geral dos países, a formação de alunos em escolas de ensino médio e técnico é de 40%, enquanto no Brasil a taxa é de 8%.

Publicidade

Se pouca gente chega a concluir a formação básica, quem dirá as especializações necessárias para acompanhar um mundo que se adapta rapidamente, principalmente no quesito tecnológico.

Publicidade

Esta situação de descontentamento educacional leva a um segundo fenômeno que preocupa os especialistas, a chamada “Fuga de Cérebros”.

Afinal, se o jovem sem acesso à educação demonstra vontade de deixar o país, os jovens mais qualificados já fizeram isso -ou estão planejando fazer.

Segundo dados da Receita Federal, até novembro de 2019 um total de 22.549 pessoas fizeram declaração de saída definitiva do país – um número que vem exponencialmente crescendo desde 2011. Entre os migrantes, muitos estão cientistas e pesquisadores.

Declarações de saída definitiva do Brasil
Declarações de saída definitiva do Brasil | Gráfico: Valor Globo
Publicidade

Publicidade

De acordo com dados da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) a maior perda de pesquisadores foram nas áreas de inovação e tecnologia:

O êxodo dos pesquisadores brasileiros para outros países é uma preocupação, que norteia uma série de iniciativas que o CNPq tem fomentado para aperfeiçoar e ampliar mecanismos de fixação de nossos profissionais da ciência e tecnologia. Dentro das limitações orçamentárias e legais que se aplicam ao CNPq, a agência investe, por exemplo, em programas que, em parceria tanto com instituições públicas quanto a iniciativa privada, incentivam a realização de projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação dentro de empresas e indústrias.

O objetivo é, além de contribuir com a formação de recursos humanos mais qualificados, garantir empregabilidade dos pesquisadores. Importante ressaltar que em países como Japão, Coreia do Sul, Israel, EUA e China, mais de 60% do total de seus pesquisadores estão alocados em empresas, segundo dados de 2018 da OCDE. No Brasil, esse percentual é de apenas 18%”, diz a nota divulgada à imprensa e publicada na íntegra pela BBC.

A lógica é simples. Enquanto o Brasil não investe em educação, inovação e tecnologia, outros países estão fazendo isso muito bem. Assim, quem pode ir para fora prefere investir o dinheiro internacionalmente do que num país que não lhes dá perspectivas.

Insatisfação geral da nação

O jovem brasileiro não é único descontente. Nas últimas médias gerais divulgadas a infelicidade pode ser considerada um vírus que infectou o país muito mais que a Covid. Aqui no No Detalhe divulgamos algumas delas:

Qual é o seu principal descontentamento com a situação atual do Brasil? Comente suas frustrações aqui.

Fonte: Folha de São Paulo, BBC

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e especialista em Negócios Digitais. Tem mais de 600 artigos publicados em sites dos mais variados nichos e quatro anos de experiência em marketing digital. Em seus trabalhos, busca usar da informação consciente como um instrumento de impacto positivo na sociedade.
InstagramLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário