MP do Bolsa Família é entregue ao Congresso: saiba o que diz o projeto

O presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido) apresentou na segunda-feira, 9 de agosto, a Medida Provisória (MP) que propõem mudanças no Bolsa Família, incluindo a troca de nome para Auxílio Brasil.

MP do Bolsa Família é entregue ao Congresso
O que diz a MP do Bolsa Família entregue ao Congresso | Imagem: No Detalhe

O que diz a MP?

Com a entrega da MP, agora o documento segue para análise. Em entrevista ao G1, o ministro João Roma garantiu que vai respeitar o teto de gastos públicos, para evitar que as despesas governamentais fiquem acima do que é possível pagar. 

Publicidade

Publicidade

Afinal, o descumprimento do limite poderia categorizar um crime de responsabilidade, mesmo motivo que fez a ex-presidente Dilma Rousseff ser impechmada em 2016.

A MP ainda não inclui o novo valor do benefício social que já foi prometido por R$ 400, com um aumento médio de 50% o valor atual por família. 

O valor oficial da mudança será definido nos próximos meses, a medida que o governo abre discussões sobre a forma de financiamento dos aumentos no programa. A expectativa é de que a divulgação seja feita em setembro.

Publicidade

Publicidade

Para financiar as novidades do Auxílio Brasil o governo tem pouca verba disponível e pretende usar dinheiro que sobrou do auxílio emergencial para custear o aumento do benefício em 2022.

Mesmo assim, o projeto ainda carece de mais explicações de onde vai tirar R$ 18 bilhões das despesas que cabem no dinheiro que sobrou dos beneficiários do Bolsa Família que receberam auxílio durante a pandemia.

O projeto diz que caberá ao Ministério da Economia encontrar uma solução para as novas despesas do projeto. Em resposta a responsabilidade de encontrar uma manobra de financiamento, o ministro da economia, Paulo Guedes, disse que:

O que nós visamos, inclusive com essas reuniões do Ministério da Economia, é que justamente a gente encontre fontes do orçamento que façam jus a esse incremento, a esse valor. Estava previsto inicialmente cerca de R$ 18 bilhões de acréscimo para o ano de 2022 e esse recursos seria agregado ao orçamento de já de cerca de R$ 35 bilhões do atual programa de transferência de renda do governo”.

Uma das alternativas previstas já teve uma PEC de emenda constitucional encaminhada para o Congresso e estabelece o parcelamento de pagamentos precatórios, dívidas que o governo tem com pessoas e empresas que não são mais passíveis de recurso.

Só em 2021 o país deve pagar R$ 90 bilhões em precatórios (dívidas), o que foi chamado de “meteoro” por Guedes.

Com a proposta de renegociação do ministro o governo poderia pagar a dívida aos poucos, o que deixaria R$ 40 bilhões livre para fazer o novo Bolsa Família acontecer.

Publicidade

Publicidade

Na PEC entregue ao congresso parte do dinheiro é planejado também para promover reajustes a servidores e para financiar um programa de refinanciamento de dívidas.

A Ordem dos Advogados (OAB) definiu a estratégia como uma tentativa de calote contra as pessoas com processos em aberto contra o governo, como ações judiciais no INSS.

Entretanto, Guedes negou o calote. Em sua defesa, ele disse que os “superprecatórios” – dívidas superiores a R$ 60 milhões – é que seriam os mais afetados pela MEC, e não o cidadão que tem ações de baixos valores.

No projeto, também está previsto a abertura de programa de quitação de dívidas de empresas que renderia ao governo mais verba para financiamento de projetos em 2022.

Essa PEC dos Precatórios não é uma PEC que foi feita para viabilizar o programa social. Uma vez ela não tomando cabo, ela pode, sim, ter por consequência inviabilizar avanços no programa social, assim como inviabilizar uma série de coisas do estado brasileiro”, comentou  o ministro João Roma.

Publicidade

Portanto,  ainda é preciso aguardar a tramitação da MP para a certeza de que o Auxílio Brasil será possível.

Publicidade

Confira aqui todas as propostas de mudanças no Bolsa Família. 

Tramitação da MP: quando começa a valer?

A MP tem, por lei, 120 dias para ser aprovado na Câmara e no Senado. Caso não seja analisada no prazo, perde a validade.

A estratégia do governo de lançar a MP antes do lançamento oficial do programa é uma forma de garantir que poderá começar os pagamentos assim que o valor for definido, sem precisar esperar a MP ser aprovada no Congresso.

As intenções das mudanças no Bolsa Família

Publicidade

Publicidade

Desde o ano passado o presidente cita possíveis mudanças no Bolsa Família, visando a reeleição em 2022.

Com a última proposta que inclui a troca de nome do benefício ficou claro que ideia é usar do programa social para fazer uma referência ao auxílio emergencial.

Como as mudanças em benefícios sociais em anos eleitorais não é contra lei, Bolsonaro está usando deste artifício para conquistar votos de uma porcentagem relevante da população. Uma estratégia para reverter a sua impopularidade.

A agenda do governo determinou o fim do auxílio emergencial para outubro, mesmo mês em que foi anunciado uma linha de empréstimo no aplicativo Caixa Tem.

A ideia é que as mudanças para o Auxílio Brasil aconteçam logo após, em novembro.

Fonte: G1, Istoé, Agência Brasil

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e especialista em Negócios Digitais. Tem mais de 600 artigos publicados em sites dos mais variados nichos e quatro anos de experiência em marketing digital. Em seus trabalhos, busca usar da informação consciente como um instrumento de impacto positivo na sociedade.
InstagramLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário