PIX terá cartão de crédito e compras parceladas?

O Pix ganhará uma nova modalidade no primeiro semestre do próximo ano: o Pix Garantido permitirá o parcelamento de compras.

Nesta matéria, você vai descobrir como o sistema irá funcionar e quais as vantagens.

Publicidade

Publicidade

Entenda sobre o Pix parcelado. Foto Banco Central do Brasil
Entenda sobre o Pix parcelado. Foto: Banco Central do Brasil

Pix Garantido deve iniciar em 2022

A afirmação foi feita pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em novembro, durante entrevista ao site Poder 360, e conforme ele explicou o pagamento poderá ser programado, permitindo assim financiamentos de crédito e serviços de cashback, que é o saque em varejo.

Já o diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central, João Manuel Pinho de Mello, também em entrevista ao site Poder 360, explicou que o Pix Garantido é fazer um Pix irrevogável que, evidentemente, estará embutido um produto de crédito, assim como é feito com o cartão de crédito.

Na prática, as instituições financeiras em 2022 permitirão parcelamentos de produtos comprados com o Pix.

Publicidade

Publicidade

Por enquanto, o Banco Central estuda formas de implementar as medidas, mas não deu detalhes. Além disso, de acordo com Neto, a cobrança de juros vai depender da “peculiaridade” do produto, por isso, ainda não tem uma resposta específica.

Cashback

O SaquePix, serviço de cashback, também é uma novidade e o consumidor poderá retirar dinheiro em lojas de varejos da seguinte forma: se o consumidor pagar R$ 250,00 em um produto que custa R$ 200,00, ele poderá pegar troco de R$ 50,00. Para o diretor de Organização essa operação é boa para todas as pessoas.

Alguns lugares ajudam na inclusão financeira, porque nem rede de caixa [eletrônico] há. Para o varejista e é bom porque atrai o consumidor para a loja”, disse.

Outra opção é o consumidor pedir para sacar R$ 80,00, mesmo sem comprar nada na loja. Neste caso, o caixa apresenta um QR Code que pode ser feito na maquininha do cartão e pago pelo Pix no aplicativo da instituição financeira.

Depois dessa confirmação, o atendente entregará o dinheiro em espécie para a pessoa que solicitou.

O objetivo, segundo Roberto Campos Neto, é criar um sistema de pagamentos estável e agradável para a experiência do usuário. Depois, as inovações serão acrescentadas na plataforma.

[O cashback e o pagamento programado] São funcionalidades que a gente já está no horizonte próximo e a gente vai fazer o mais rápido possível, mas sempre deixando claro que a prioridade é que o sistema seja estável”, completou.

Modalidade será mais confiável

O CEO da Matera, empresa de desenvolvimento de tecnologia para o mercado financeiro, Carlos Netto, contoou para o E| Investirdor do Estadão, que atualmente quando o consumidor vai fazer um pagamento com o Pix, o valor cai na conta no mesmo momento.

Publicidade

Publicidade

Existe também a modalidade de agendamento, mas a pessoa que vai receber o valor não fica sabendo. “Com o Pix Garantido, você poderá agendar o pagamento das contas e o recebedor ficará sabendo do agendamento”, explica.

O especialista revela que também poderá haver um intermediador, ou seja, um banco que garantirá que os recursos serão creditados na data agendada, mesmo se não houver crédito na conta que deveria ser debitada.

Você também não poderá desagendar o pagamento e eventualmente existirá essa figura do fiador. Ou seja, mesmo que o pagador venha a falir, os recursos chegarão à conta de destino”, ressalta Netto.

Novidade que atraiu muitos brasileiros

Desde seu lançamento, em novembro de 2020, o Pix toma cada vez mais o espaço de pagamentos no mercado.

Até o mês de fevereiro deste ano, o serviço de transferência gratuito para as pessoas físicas já possuía 73 milhões de usuários e acumulava mais de 275 milhões de operações feitas.

Publicidade

A novidade colocou em dúvida a continuidade de modalidades mais antigas, como transferências, e se mostrou um concorrente de peso.

Publicidade

Entre janeiro e 25 de fevereiro de 2021, o Banco Central afirma que foram 375,3 milhões de transferências via Pix contra 249,9 milhões feitas via TED e DOC.

Fonte: Poder 360 e E| Investidor

Bruna Santos
Jornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, atua na Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
FacebookInstagramLinkedinWikipédia

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário