Produtos e serviços essenciais: Por que eles estão tão caros?

Pandemia do novo coronavírus gera impactos negativos para a economia do país, especialmente para produtos e serviços essenciais como alimentação, transporte, saúde e moradia.

Economia

O aumento nos valores de produtos e serviços essenciais nos último ano foi gerado por uma série de consequências, principalmente pela pandemia mundial do novo coronavírus.

Alimentos e bebidas, aluguéis, combustíveis e atendimentos médicos são os principais setores afetados pela alta dos preços.

aumento de preço
Aumento de preços é perceptível em diversos setores

De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística houve inflação de 16,1% em Fortaleza.

Logo no início de 2021 o índice na Capital cearense, bem como na Região Metropolitana, acumulou cerca de 1,7% da inflação.

Setores

De acordo com especialistas econômicos, a composição de preços da maioria dos setores é interligada. Sendo assim, se houver aumento nos combustíveis, haverá aumento nos alimentos e, consequentemente, nos aluguéis.

Essa conexão tem como base o Índice Geral de Preços – Mercado. Além disso, são afetados os Índice de Preços ao Consumidor, Índice Nacional de Custo da Construção e Índice de Preços ao Produtor Amplo.

Em relação à produção de alimentos houve alta de 5,20% em 12 meses, aumento observado na soja e trigo. No caso dos aluguéis os contratos sofreram nos últimos 12 meses uma alta de 28,94%. 

Já os combustíveis subiram cerca de 28% em apenas 9 meses. O aumento se deu tanto nas refinarias, quanto nas bombas de combustíveis devido ao preço do dólar e a desvalorização do real.

Pandemia

A desorganização das cadeias globais diante do impacto da Covid-1 tornou o cenário favorável ao aumento nos preços das commodities, bem como aos produtos e serviços essenciais.

Além desses setores, o campo da saúde também foi afetado. É possível perceber as consequências da pandemia diretamente nos planos de saúde.

Com o comprometimento do sistema público de saúde, o sistema particular não está suportando a demanda por insumos médicos. 

Além disso, estão sendo feitas cobranças do ano passado, até então paralisadas no início da pandemia, totalizando 8,14% de reajuste.

Até o momento especialistas da área de economia não sabem afirmar qual será o futuro desses setores, pois o cenário pandêmico ainda se faz presente e impactante.

As previsões sobre impactos negativos são mais evidentes, especialmente a longo prazo para famílias carentes, pequenas empresas e negócios.

Felipe Calbo
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.
Linkedin

Deixe seu comentário