IR 2021: O que você precisa guardar após ter feito a declaração?

Depois de entregar a declaração do Imposto de Renda, surge uma dúvida muito comum: quais documentos guardar após declarar IR?

Saiba que essa é uma das responsabilidades do contribuinte e essa organização deve ser mantida por cinco anos, ou seja, até 2026, para o caso de um eventual problema que possa ser apontado pela Receita Federal.

homem em frente a um notebook
Saiba quais documentos guardar depois de declarar Imposto de Renda

Quais documentos guardar após declarar IR?

De acordo com a analista Tributária da MAG Seguros, Fabiana Silva, em entrevista para o G1, o contribuinte deve guardar:

  • Uma cópia de declaração anual do tributo;
  • Todos os comprovantes dos documentos utilizados para o preenchimento da declaração.

É importante saber sobre o prazo que os documentos devem ser guardados, pois, muitos contribuintes pensam que suas obrigações terminaram ali, na declaração, quando, na verdade, elas duram por cinco anos.

Neste ano, a declaração do Imposto de Renda poderá ser feita até 30 de abril e a estimativa é que a Receita Federal receba 32.619,49 declarações.

Quem deve declarar Imposto de Renda em 2021?

Existe uma lista de pré-requisitos para declaração de imposto de renda e ela precisa ser seguida para que a declaração dê certo.

Saiba se você precisa fazer a declaração do Imposto de Renda deste ano:

  • Quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2020;
  • Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, superior a R$ 40 mil em 2020.
  • Quem obteve em 2020 ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeitos à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Quem teve no ano passado receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • Quem tinha até 31 de dezembro de 2020 posse ou propriedade de bens e direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • Quem passou a morar no Brasil e se encontrava nessa condição até 31 de dezembro de 2020;
  • Quem optou pela isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais cujo produto de venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais no Brasil, no prazo de 180 dias a partir da celebração do contrato de venda;
  • Pessoas que receberam Auxílio Emergencial em 2020 e, além das parcelas, tiveram recebido R$ 22.847,76 ou mais em rendimentos tributáveis.

Este tributo é o mais importante para o brasileiro e precisa ser declarado de forma correta, todos os anos, seus rendimentos e bens.

Por isso, a dica é contratar um contador profissional de sua confiança para fazer este trabalho.

Se atente a todas as informações que você precisa fornecer para não se esquecer de nada e entregue todas as notas e declarações que ele pedir.

Além disso, na hora de receber a declaração já feita, lembre-se de conferir todos os documentos, já que você precisará arquivar a declaração e as notas por cinco anos.

Quais documentos são obrigatórios para a declaração?

Diversos documentos podem ser apresentados na hora de declarar o Imposto de Renda e eles podem valer como descontos ou aumento da restituição.

Veja os documentos que podem ser entregues:

Informes de Renda

  • Rendimento de salário, pensão, aposentadoria e outras fontes pagadoras;
  • Rendimento de instituição financeira e corretora de valores;
  • Rendimento de aluguel de bens móveis e imóveis;
  • Dados sobre doações, herança e outros valores;
  • Resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo e DARF do carnê-leão.

Bens e direitos

  • Comprovantes de compra e venda de bens e direito;
  • Matrícula do imóvel ou escritura de compra e venda;
  • Boleto do IPTU;
  • Comprovantes de ações de empresas, caso tenha.

Dívidas e ônus

  • Dados e documentos de dívidas e ônus contraídos e pagos em 2020.

Renda variável

  • Darfs;
  • Controle de compra e venda de ações, com apuração mensal de imposto;
  • Rendimento auferido de renda variável.

Pagamentos e doações

  • Recibo de pagamento ou informe de rendimento de plano de seguro saúde. É preciso ter CNPJ da empresa e indicação do paciente;
  • Comprovante de despesas médicas e odontológicas. É preciso ter CNPJ da empresa ou CPF do profissional e indicação do paciente;
  • Comprovante de despesas com educação. É preciso ter CNPJ da empresa e indicação do aluno;
  • Comprovante de pagamento da previdência social e previdência privada, com CNPJ da empresa;
  • Recibo de doações, caso tenha realizado;
  • Comprovante oficial de pagamento a candidato político, caso tenha feito;
  • Comprovante de pagamento de pensão alimentícia em decorrência de decisão judicial por alimentado.

Aqui no site você encontra mais informações sobre Imposto de Renda!

Fonte: G1

Bruna Santos
Jornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, é CEO da Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
FacebookInstagramLinkedin

Deixe seu comentário