Quem investiu R$ 1 mil por um ano perdeu R$ 60 – Entenda a desvalorização

Você investe na poupança? Se sim, saiba que você perdeu dinheiro com a desvalorização!  

Segundo levantamento da consultoria Economatica, cada R$ 1 mil aplicados na poupança resultou em uma perda de R$ 60 em 12 meses. 

Publicidade

Publicidade

Sim, você não entendeu errado, é possível perder dinheiro, mesmo investindo. Mas, para entender essa dinâmica, acompanhe aqui como funciona o cálculo da poupança e, porque ela tem rendimento abaixo do comum. 

Quem investiu R$ 1 mil por um ano perdeu R$ 60 - Entenda a desvalorização
Quem investiu R$ 1 mil por um ano perdeu R$ 60 – Entenda a desvalorização.

Desvalorização: como a poupança resultou em perda? 

Ainda de acordo com a consultoria Economatica, a poupança caiu 6%, a maior queda desde outubro de 1991, quase 30 anos atrás, quando o poupador perdeu 9,72% em 12 meses. 

Isso porque não é possível considerar apenas a porcentagem de rendimento, mas também a inflação do período. 

Publicidade

Publicidade

No cálculo da Economatica, foi descontada a inflação medida pelo IPCA em 12 meses. Sendo assim, com a queda, o poupador perdeu poder aquisitivo, e continua perdendo desde setembro de 2020.

Além disso, a consultoria também indicou que, até maio, somente o Ibovespa teve valorização acima da inflação medida pelo IPCA. As demais aplicações, como índice de fundos imobiliários, IMA-B Total e ouro também ficaram em queda: de 4,93%, 4,22% e 3,12%, respectivamente.

Mas, na prática, como essa conta funciona? 

Primeiramente, é preciso entender que, quando falamos que o poupador “perdeu dinheiro” ele, não necessariamente, teve saldo negativo, ou seja, o dinheiro não baixou. Porém, ele deixou de render em comparação a outras aplicações.

Para ficar mais claro, imagine a seguinte situação:  

Você deseja comprar um videogame e, hoje, ele custa R$5.000,00. Você se planeja para comprar esse videogame em 10 meses, então, vai depositar 500 reais na poupança todos os meses. 

Considerando uma taxa de juros de 2,45 ao ano (que é a taxa atual), ao final de 10 meses, você terá R$5.045,67. 

Publicidade

Publicidade

Porém, durante os mesmos 10 meses, a inflação cresceu em um ritmo acelerado, ou seja, o preço dos produtos subiu. E, o videogame que antes custava R$5.000,00 agora custa R$5.100,00. 

Neste caso, mesmo que seu dinheiro tenha crescido na poupança, ele não alcançou o aumento da inflação. Isso quer dizer que seu dinheiro perdeu poder, ou seja, mesmo tendo o dinheiro em mãos, ele já não pode comprar as mesmas coisas que comprava antes. 

Histórico de baixas da poupança

A título de comparação, vale ressaltar que entre novembro de 2002 e outubro de 2003, houve outra queda de poder aquisitivo de 12 meses seguidos, bem como entre janeiro de 2013 e dezembro do mesmo ano. 

Entretanto, a maior queda ocorreu entre fevereiro de 2015 e setembro de 2016. 

Desvalorização: quando vale a pena deixar o dinheiro na poupança? 

Publicidade

Diante do cenário, não há ocasião em que a poupança seja vantajosa. Há vários outros investimentos, até mesmo em renda fixa, que dão melhores rendimentos. 

Publicidade

Mas, para aqueles que ainda desejam deixar o dinheiro na poupança, por ser tradicional e seguro, vale a ressalta: ela pode ser uma alternativa para a reserva de emergência. 

A reserva de emergência é, como o nome diz, uma reserva de dinheiro feita para cobrir eventuais emergências. 

Especialistas indicam que o valor seja de 6 vezes o seu custo de vida mensal. Sendo assim, se considerando todos os seus custos do mês (como aluguel, água, luz, internet, compras, entre outros), você gasta R$2.000,00 por mês, a sua reserva seria, idealmente, de R$12.000,00. 

Publicidade

Publicidade

Mas, esse valor pode ser menor, dependendo das suas possibilidades. O importante é ter um valor guardado para emergências, como a perda do emprego, por exemplo.  

Para guardar esse dinheiro, a poupança pode ser uma alternativa. Isso porque, um dos critérios para escolher onde deixar a sua reserva é ter acesso rápido, mesmo que com baixo rendimento. Afinal, caso haja uma emergência, o dinheiro precisa estar acessível. 

Porém, caso você queira conhecer outros investimentos que rendem mais do que a poupança e que também oferecem segurança e agilidade no resgate, acesse este artigo

Jornalista com mais de 8 anos de experiência. Trabalhou como redatora, repórter e produtora na emissora Nossa Rádio FM e produtora na Metropolitana AM, depois foi diretora-geral do conhecido podcast Mamilos, passou por algumas agências de São Paulo e Rio de Janeiro e agora, além de colaboradora da WebGo Content, é Copy Content na In House da divisão agrícola da Bayer e Host/Criadora do podcast "Me Empresta Seus Óculos".
InstagramLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário