Auxílio Emergencial Minas Gerais: Estado quer conceder R$ 500 de benefício a famílias vulneráveis

O Recomeça Minas é um benefício que pode ser destinado às famílias vulneráveis de Minas Gerais, no valor de R$ 500,00 até o mês de agosto.

O auxílio emergencial de Minas Gerais, também chamado de “Força Família”, beneficiará as famílias em situação de extrema pobreza.

Publicidade

Publicidade

Além disso, ele consta em emenda ao Projeto de Lei (PL) 2.442/21 e o Recomeça Minas está em tramitação na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Ontem (27), o projeto recebeu outras 31 emendas que devem ser votadas hoje (28) pela Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária.

Deputado Agostinho Patrus
Deputado Agostinho Patrus apresenta emenda de benefício mensal para famílias necessitadas. (Imagem: Luiz Santana)

Recomeça Minas

O projeto Recomeça Minas prevê incentivos fiscais que visam regularizar as dívidas com o Estado e direcionar os recursos recebidos nessas renegociações para a desoneração de setores mais afetados pela pandemia.

Publicidade

Publicidade

A estimativa é que sejam arrecadados R$ 2 bilhões com as renegociações, aos cofres públicos. A ideia é que, pelo menos, R$ 500,00 seja destinado às famílias necessitadas do Estado de Minas Gerais.

A previsão da Assembleia é que o projeto esteja nas mãos do governador Romeu Zema, para sanção ainda nesta semana.

Segundo o deputado estadual e autor da emenda, Agostinho Patrus (PV), em entrevista ao site Diário do Comércio, a emenda Força Família prevê a concessão do benefício de R$ 500,00 mensais às famílias com renda per capita de até R$ 89,00 por pessoa. Isso significa uma renda mensal de R$ 360,00.

Ele explica que essas famílias não conseguem viver bem com o valor recebido e que muitas vezes não tem dinheiro para comprar alimentos, pagar o botijão de gás, quitar a conta que fez na venda da esquina e na pequena farmácia do bairro.

O deputado conta que a pobreza cresceu muito em Minas e já alcançou 1,08 milhão de famílias com renda de até R$ 360,00.

“(Esse valor) também ajuda ao comércio local das cidades. Sem dúvida, será uma cadeia do bem”, revelou.

Além disso, Patrus afirma que o benefício teria um impacto de R$ 500 milhões no Recomeça Minas, ou seja, ficaria um quarto do valor.

Publicidade

Publicidade

Na avaliação do deputado, é importante manter os empresários e os empregos, mas sem se esquecer das pessoas que estão passando fome e necessidades, já que a pandemia de Covid-19 pode agravar esta situação.

“Sentimos, por toda Minas Gerais, a situação daqueles que perderam empregos, que já tinham dificuldades financeiras, de se colocar (no mercado) e trabalhando sem um serviço formal. Vimos que é importante criar um apoio a essas famílias — dar a elas uma força para vencer este momento tão difícil que o Brasil atravessa”, afirmou Patrus, ao Estado de Minas, justificando a nova emenda.

Recomeça Minas beneficiará setores do mercado de trabalho

Entre as emendas apresentadas em Plenário, na sessão de ontem (27), cinco visam beneficiar o setor de eventos e entretenimento, com propostas como redução de multas e juros em impostos e incentivos na forma de patrocínio pelo Estado.

Essas foram as propostas apresentadas pelos deputados estaduais: Tito Torres (PSDB), Cleitinho Azevedo (Cidadania) e Gustavo Mitre (PSC).

Além disso, duas emendas foram apresentadas pelo deputado Charles Santos (Republicanos) que estipulam redução em 50% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a tarifa de energia elétrica, beneficiando o comércio de material de construção e das concessionárias e oficinas mecânicas.

Publicidade

Nesta regra, foram incluídos pelo deputado Celinho Sintrocel (PCdoB) os sebos de livros, livrarias e editoras.

Publicidade

O benefício previsto para todos os casos valem até 90 dias após o término da vigência do estado de calamidade.

No que diz respeito ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), todos os encargos são retirados caso o proprietário pague o valor à vista. Já, se os valores forem parcelados, eles caem pela metade

As áreas de hotelaria, que não pagam impostos estaduais, serão atingidos através de descontos em tarifas de água e energia.

Publicidade

Publicidade

Também há diminuições nos valores relativos a tributos como o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCD) e taxas estaduais vencidas até 31 de dezembro de 2020.

Produção de oxigênio hospitalar deve ser beneficiado

Foi proposto pelo deputado Antônio Carlos Arantes (PSDB) a redução até zero carga tributária em operação interna com energia elétrica destinada a atividades industriais para produzir oxigênio medicinal ou hospitalar, enquanto o estado de calamidade durar.

Já o deputado Neilando Pimenta (Pode) propôs a possibilidade de pagamento de dívidas através da entrega de imóveis ou do uso de precatórios.

Também foi proposto que parte do valor arrecado com o refis se destine a um fundo garantidor no Banco de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais  (BDMG) para empréstimo, inclusive nos casos de empresas com dívidas.

Em relação ao pagamento de dívidas, o deputado Duarte Bechir (PSD) apresentou uma emenda que prevê carência mínima de seis meses, após o fim do estado de calamidade, para que as empresas paguem empréstimos especiais junto ao BDMG.

Fontes: Diário do Comércio e Estado de Minas

Jornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, atua na Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
FacebookInstagramLinkedinWikipédia

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário