Rendimento da poupança sobe em agosto: confira os melhores investimentos para setembro

Rendimento da poupança em agosto foi avaliado como positivo. Foto: Istock.
Rendimento da poupança em agosto foi avaliado como positivo. Foto: Istock.

Guardar dinheiro na poupança é o hábito de muitos brasileiros e o mês de agosto foi positivo, apesar de ter sido marcado por uma forte oscilação nos mercados.

No entanto, o IBOVESPA, principal índice de ações da Bolsa, o dólar, o ouro e o Ifix, o índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa, encerraram o período com variações negativas.

Publicidade

Publicidade

Rendimento da poupança em agosto foi avaliado como positivo. Foto: Istock.
Rendimento da poupança em agosto foi avaliado como positivo. Foto: Istock.

Rendimento da poupança

Vale saber que a notícia não é tão boa para os aplicadores da poupança, pois a caderneta, mesmo com o rendimento acima de zero, não conseguiu bater a inflação.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA) – 15, prévia da inflação oficial do governo, subiu 0,89% no mês. Em termos reais, isso significa que nem a poupança conseguiu se salvar.

Incertezas

De acordo com alguns profissionais do mercado, os problemas internos ao Brasil e as incertezas no ambiente internacional estão afetando a recuperação econômica do Brasil e as empresas com ações negociadas em Bolsa são as principais preocupações dos investidores.

Publicidade

Publicidade

Os altos e baixos se concentrou no mercado de renda fixa, na curva de juros brasileira e na Bolsa.

Ambos tiveram um mês negativo, com muita pressão e a principal causa é a piora na percepção fiscal, que vem se acentuando e isso tem contaminado as expectativas dos agentes, de acordo com o sócio e gestor da Galápagos Capital, Sérgio Zanini.

No entanto, é importante saber que a alta da inflação também é motivo de preocupação, já que ela forçou o Banco Central para acelerar a elevação dos juros, um fator que atrapalha a Bolsa.

É importante saber que no início de agosto, o Copom elevou a taxa básica de juros da economia brasileira de 4,25% para 5,25% ao ano, devido à aceleração da inflação.

Entretanto, no ambiente externo, as incertezas aumentaram com o avanço da variante delta, que pode prejudicar a recuperação da economia global e trazer reflexos negativos sobre o Brasil.

Para o sócio-fundador da Fatorial Investimentos, Jansen Costa, a volatilidade está baseada em problemas internos e externos.

Publicidade

Publicidade

Observando o exterior, a China reduziu o preço do minério e isso afetou a principal ação da Bolsa, que é a Vale. Também tiveram ruídos relacionados à variante delta.

Veja como se comportaram alguns principais indicadores do mercado brasileiro em agosto.

Desempenho em agosto

  • Ifix: – 2,66%;
  • Ibovespa: -2,48%;
  • Dólar: -0,73%;
  • Ouro: -0,67%;
  • Poupança: +0,25%.

Esse desempenho negativo em agosto para a maior parte das classes de investimentos do mercado, muitos indicadores voltaram a patamares que tinha no início de 2021, zerando ganhos que tinham acumulado em especial no primeiro semestre. Veja:

  • Ibovespa: -0,20%;
  • Dólar: -0,33%;
  • Ifix: -4,22%;
  • Ouro: -5,7%;
  • Poupança: +1,36%.

Fim de ano

Para o restante do ano, os profissionais de mercado apontam que o ambiente de incertezas pode continuar prejudicando os mercados de investimentos, mantendo a volatidade dos principais indicadores financeiros.

Publicidade

O economista e sócio da BRA Investimentos, João Beck, essa volatilidade do mercado financeiro vai continuar por dois motivos: “os problemas atuais da crise hídrica e o teto de gastos não foram endereçados e estamos nos aproximando de um ano eleitoral em que mais ruídos ocorrem.  O investidor terá que ficar mais atento e resiliente com essas oscilações”, destaca.

Publicidade

Para alguns analistas, a retomada da economia global é importante, pois ajuda no desempenho de grandes exportadoras brasileiras, como as mineradoras, siderúrgicas e produtoras de alimentos, que têm peso na Bolsa.

Já para o analista da Clear Corretora, Rafael Ribeiro, a queda do minério de ferro deve-se a mais de um dado fraco de atividade na China e que reduz a expectativa pela demanda da commodity.

É importante saber que após dados aquém do esperado em julho para indústria e varejo, os primeiros dados de agosto revelam um quadro de desaceleração.

Bruna SantosJornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, atua na Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
Veja mais ›
Fechar