53% dos novos microempreendedores ganham até R$3.300

A maioria (53%) dos novos microempreendedores individuais (MEI) recebem até três salários mínimos (R$ 3.300), de acordo com  Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas na divulgação do relatório anual da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2020.

Entretanto, a renda dos MEIs está sendo cada vez mais comprometida, um dos motivos que fazem com que a maioria dos microempreendimentos fechem as portas em até cinco anos. 

Publicidade

Publicidade

Mas os tempos de crise não é o único fator envolvido na realidade dramática dos microempreendedores. O Sebrae garante que também a alta mortalidade também está atrelada ao fato de grande parte dos novos MEIs ser empreendedores por necessidade, e não por oportunidade. Afinal, no último levantamento feito pelo instituto,  82% dos empreendedores declara que abriu uma empresa porque não conseguiu encontrar emprego.

Mas, mesmo quando a necessidade bate à porta é preciso de muito planejamento para aumentar as chances de um salário garantido para o futuro enquanto empresário, garante o gerente de competitividade do Sebrae, Cesar Rissete. Em entrevista ao UOL ele aconselha os empreendedores a criar negócios de baixo investimento e em setores que já possuem experiência:

Não é porque o empreendedor está sem emprego ou renda que ele não pode empreender por oportunidade […] Como esses empreendedores têm uma renda baixa e provavelmente não conseguiriam um financiamento de alto valor, é interessante que busquem se inserir em atividades que tenham baixa necessidade de capital, ou seja, um segmento onde consigam empreender sem muitos recursos, diz.

Apesar da realidade de dificuldades das micro e pequenas empresas, 60% dos jovens brasileiros deseja se tornar um empreendedor.

Publicidade

Publicidade

Salário médio dos novos microempreendedores individuais
Salário médio dos novos microempreendedores individuais em 2021 | Imagem: Canva

Perda de faturamento e endividamento dos microempreendedores

Os microempreendedores foram um dos públicos mais afetados pela pandemia e a crise econômica, tendo perdas de faturamento significativa: de cada 100 MEIs, 82 relataram diminuições na receita e 67% diz que a renda do negócio não é o suficiente para cobrir as despesas. 

O dado estimado pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas é 10% mais alto do que entre as pequenas empresas, onde a perda de faturamento ocorreu em  84%.

As dificuldades em fazer a empresa prosperar ocasionaram um cenário de endividamento entre os microempreendedores. Em maio de 2021, o Sebrae confirmou que 36% dos MEIs tem dívidas em atraso.

E mesmo com os gráficos indicando melhorias na situação econômica e avanço na vacinação, os microempreendedores ainda não apresentaram aumento em seus faturamentos. De modo geral, a receita dos pequenos empreendedores está uma média de 43% menor do que o nível anterior à pandemia.

Mesmo diante das dificuldades, os pequenos negócios são os que mais geram emprego no país, proporcionalmente. Em maio, por exemplo, foram 182 mil novos postos de trabalho com carteira assinada criados pelos MEIs. 

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, para melhorar a situação é preciso avançar na vacinação e criar medidas que ajudem os empreendedores financeiramente e com planejamento:

A dificuldade dos pequenos empreendedores em conseguir crédito é histórica, e quanto menor o porte da empresa mais difícil a resposta positiva dos bancos […] É fundamental que a vacinação seja acelerada e que sejam criadas novas políticas que amparem os empreendedores, ampliem o acesso ao crédito e reduzam o custo desses empréstimos de forma rápida”, disse em entrevista ao G1.

Publicidade

Publicidade

Uma das soluções para os microempreendedores endividados é recorrer a empréstimos para negativados e linhas de crédito com taxas de juros menores.Saiba como funciona algumas das alternativas criadas para o apoio dos MEIs durante a pandemia:

Estruturar o seu negócio para sobreviver em tempos de crise também é fundamental. Você pode começar sabendo o que NÃO FAZER neste conteúdo que mostra as 5 coisas que mais levam MEIs à falência. 

Fonte: G1, CNN, Contabilidade na TV

Avatar
Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e especialista em Negócios Digitais. Tem mais de 600 artigos publicados em sites dos mais variados nichos e quatro anos de experiência em marketing digital. Em seus trabalhos, busca usar da informação consciente como um instrumento de impacto positivo na sociedade.
InstagramLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário