Serasa abriu relatório que mostra quem consultou seu CPF

Para ajudar a reduzir as fraudes pela internet, o Serasa disponibilizou gratuitamente um relatório das empresas que consultaram seu CPF/ CNPJ nos últimos dois anos.

Essa medida visa reduzir os golpes, fraudes e os crimes virtuais que aumentaram muito nos últimos anos. E, se você deseja saber quem acessou seu documento, continue lendo esta matéria!

Publicidade

Publicidade

Serasa permite que consumidor saibam quem consultou seu CPF/ CNPJ. Foto: Kaio Lakaio/VEJA
Serasa permite que consumidor saibam quem consultou seu CPF/ CNPJ. Foto: Kaio Lakaio/VEJA

Consulta pelo Serasa

Antes de saber como consultar seu CPF/ CNPJ é preciso saber porque as empresas consultam seu documento.

De maneira geral, as consultas servem para avaliar o risco de crédito e evitar fraudes, pois elas podem detectar casos de clonagem ou estelionato de documentos furtados.

No entanto, o consumidor não precisa se preocupar, pois, todas as consultas são confidenciais e ficam armazenadas no banco de dados do próprio Serasa.

Publicidade

Publicidade

Mas, é importante esclarecer que o registro não funciona como um limitador de crédito. Isso significa que o Serasa não pode decidir se a empresa deve ou não conceder crédito, pois isso depende da política interna de cada instituição.

Serasa: saiba como saber quem acessou seu CPF/ CNPJ

Para saber quem ou qual empresa acessou seu documento, o interessado precisa fazer um pedido pelo site do Serasa e aguardar até 24h para que o relatório fique pronto.

Se você precisar de ajuda para fazer a solicitação, acompanhe esse passo a passo:

  1. Acesse o site do Serasa e faça o login. Se não tiver uma conta, é possível criar na hora de maneira gratuita;
  2. Na aba “Meu CPF”, acesse a opção “Consultas ao seu CPF” ou “Consultas aos seus CNPJs”;
  3. Clique em “Solicitar meu relatório”;
  4. Solicitação confirmada;
  5. Confira o relatório no site da Serasa após 24 horas.

É importante saber que, por seis meses, é possível ter acesso ao relatório do Serasa com informações como nome da empresa que realizou a busca, parte do CNPJ dela e a data em que a consulta foi feita.

Essas informações são importantes e podem ajudar os consumidores a saberem se alguma empresa com a qual não teve relação consultou seu CPF/ CNPJ, o que pode ser um indício de fraude.

Entretanto, para que o Serasa emita o relatório, o consumidor precisa ter em mãos toda a documentação necessária:

  • Cópia autenticada do RG, CPF ou CNH;
  • Um Requerimento, ou seja, um texto assinado pelo próprio consumidor solicitando o relatório das consultas ao seu próprio CPF nos últimos 30 dias.
Publicidade

Publicidade

Após fazer isso, existem duas formas de solicitar o documento:

  • Enviar uma carta para o Serasa Experian, que elsa localizado na Avenida Doutor Heitor José Reali, nº 360, Distrito Industrial Miguel Abdelnur, São Carlos (SP), CEP: 13571-385;
  • Ir a uma agência Serasa Consumidor. Para saber a agência mais próxima, acesse: serasa.com.br/atendimento-presencial.

Depois que a solicitação é enviada, em até 10 dias é emitido um relatório. Uma carta será enviada para seu endereço, de forma gratuita, com o nome das empresas que consultaram seu CPF, além de outras informações importantes.

É importante saber que o Serasa tem um serviço “Premium”. Assinando qualquer plano, é possível monitorar dívidas em seu CPF, consultas feitas em seu nome, seus CNPJs e vazamento de dados on-line. Para saber mais sobre este assunto, acesse: serasa.com.br/premium.

Não reconheço uma consulta. O que devo fazer?

Se o consumidor desconhecer alguma ação que justifique uma consulta ao seu CPF/ CNPJ, pode ser que isso indique uma situação de risco.

Publicidade

Nesse caso, o mais indicado é entrar em contato com a empresa que verificou o documento, informar que a consulta foi feita sem seu consentimento e solicitar detalhes.

Publicidade

O Serasa fez um levantamento em novembro do ano passado e verificou que 39,3 milhões de brasileiros afirmaram já terem sido vítimas de fraude financeira e 36% das pessoas que sofreram com esse problema afirmaram não terem tomado nenhuma ação formal.

Jornalista com mais de 7 anos de experiência. Atuou como redatora em jornais impressos, sites especializados em moda e agências de comunicação em Mogi das Cruzes, São Paulo e Goiânia. Fez parte da equipe voluntários da ONG Trupe do Riso, cuidando das redes sociais da instituição. Além de colaboradora da WebGo Content, atua na Agência Conect, especializada em comunicação e marketing para profissionais da Saúde.
FacebookInstagramLinkedinWikipédia

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário