ONU alerta que atraso na vacinação das crianças pode resultar em “catástrofe” em 2021

Criança tomando vacina com poliomelite
Em 2020, o índice de vacinação para difteria, tétano e coqueluche caiu de 86% para 83%. 

A Organização das Nações Unidas (ONU) emitiu uma nota de alerta, nesta quarta-feira (14), informando que o atraso na vacinação das crianças pode resultar em “catástrofe” em 2021. 

Para começar, é preciso entender que o isolamento social fez com que as pessoas se deslocassem menos e, consequentemente, também evitou a propagação de outras diversas doenças contagiosas, que atingem sobretudo o público infantil.  

Publicidade

Publicidade

Agora, que a vacinação contra a Covid-19 sendo aplicada em todo o país, existe uma grande tendência de retornar às atividades normais. Com isso, o contato entre as pessoas e a exposição física será maior, o que deve aumentar a ocorrência de difteria, tétano e coqueluche, por exemplo. 

perigo no atraso da vacinação infantil
Em 2020, o índice de vacinação para difteria, tétano e coqueluche caiu de 86% para 83%. | Fonte: Google Imagens

Toda essa preocupação não seria fundamentada, caso a vacinação dos pequenos estivesse em dia. No entanto, o que tem se observado é um grande movimento de negligência e despreocupação com a saúde. 

No ano passado, 23 milhões de crianças não receberam as três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche. Como se sabe, os efeitos de imunização só são garantidos após completar o esquema vacinal. 

Publicidade

Publicidade

O Ministério da Saúde reforça, continuamente, que é essencial seguir os prazos indicados pelo cronograma de vacinação, a fim de evitar óbitos e sequelas causadas por doenças imunopreveníveis, como surdez, cegueira, paralisia e problemas neurológicos. 

Conheça as vacinas que devem ser aplicadas até os 14 anos 

O Programa Nacional de Imunização, agregado ao Sistema Único de Saúde (SUS), é um dos mais completos do mundo. Por meio dele são disponibilizadas todas as principais vacinas voltadas ao público infantil, sem custo algum. 

A seguir você pode conferir a lista das vacinas que devem ser aplicadas até os 14 anos de idade: 

1. BCG 

A vacina protege contra formas graves de tuberculose, meníngea e miliar. Precisa ser tomada antes das 36 semanas de vida. 

2. Hepatite B 

Imuniza contra a hepatite B. Deve ser administrada nas primeiras 24 horas de vida, ainda na maternidade. 

3. Penta 

Vacina utilizada no combate à difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenzae B e hepatite B. Deve ser administrada em três doses, começando aos dois meses, depois quatro e, por fim, aos seis meses de idade. 

4. Poliomielite 

Publicidade

Publicidade

 A vacina é administrada em três doses e é composta pelo vírus inativado tipos 1, 2, e 3 no combate à poliomielite. A primeira dose dever ser administrada aos dois meses, a segunda aos quatro meses e a terceira dose aos seis meses. 

5. Pneumocócica 10 valente 

Atua no combate à Pneumonias, Meningites, Otites e Sinusites. A primeira dose deve ser administrada aos dois meses de idade, a segunda aos quatro e o reforço aos 12 meses.  

6. Rotavírus humano G1P1 (VRH)  

Protege contra a diarréia causada pelo rotavírus. Devem ser administradas duas doses, aos dois e quatro meses de idade, via oral. 

7. Meningocócica C (conjugada) 

Protege contra a meningite meningocócica tipo C. São duas aplicações. A primeira aos três e a outra aos cinco meses. Depois um reforço com 12 meses de idade. 

8. Febre Amarela (Atenuada) 

Publicidade

Protege contra a febre amarela. A primeira dose precisa ser tomada aos nove meses de vida e a última aos quatro anos de idade. 

Publicidade

9. Poliomielite 1 e 3 e DTP 

A vacina protege contra o poliovírus tipo 1 e 3. A primeira dose é indicada para bebês com 15 meses e o segundo aos quatro anos de idade. 

10. Sarampo, Caxumba, Rubéola (SCR) 

A primeira dose deve ser administrada aos 12 meses de idade. Para concluir o esquema de vacinação o bebê deve retornar ao posto de saúde com 15 meses. 

11. Hepatite A 

A vacina que combate a Hepatite A. É dose única e deve ser tomada aos 15 meses. 

12. Varicela 

Publicidade

Publicidade

A varicela é composta do vírus vivo atenuado da varicela. Deve ser administrada, por via subcutânea, uma dose aos quatro anos de idade. Corresponde à segunda dose da vacina varicela, considerando a dose de tetra viral aos 15 meses de idade.  

13. Diftéria e Tétano  

Vacina que previne a diftéria e o tétano. Deve ser administrada, por via intramuscular, a partir de sete anos de idade. 

14. Papilomavírus humano (HPV) 

Deve ser administrada em duas doses, com intervalo de seis meses. Em meninas de 9 a 14 anos de idade e nos meninos de 11 a 14 anos de idade. 

Vacinação contra a Covid-19 em crianças 

Vale lembrar que o plano de vacinação contra a Covid-19 no Brasil foi iniciado em janeiro de 2021 para quase todos os estados. No entanto, como você deve saber, a distribuição do imunizante tem sido feita por idade, do mais velho para o mais novo. 

O critério foi aceito pelo fato de que há uma considerável limitação na quantidade de doses nos postos de saúde, e também porque os idosos têm maior risco de desenvolverem sintomas mais graves da doença. Para as crianças, todavia, não existe previsão de início da vacinação por aqui. 

Fontes: Estado de Minas e Ministério da Saúde. 

Assuntos que podem te interessar: 

Ludmila CatharinaUma jornalista de 23 anos, nascida e criada no quadradinho. Encantada por literatura e todas as formas de comunicação. Antes de atuar como redatora, participei dos programas de estágio do Ministério da Justiça, da Defensoria Pública do Distrito Federal e da Câmara dos Deputados. Atualmente, ocupo o papel de estudante, mais uma vez, fazendo especialização em Comunicação Organizacional e Estratégias Digitais no Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB).
Veja mais ›
Fechar