Governo quer aumentar valor do Auxílio Brasil e dobrar Vale-Gás

De olho nas eleições, governo propõe aumentar o valor do Auxílio Brasil e dobrar o do Vale-Gás até o final do ano.

Com dificuldades para melhorar os índices de aprovação às vésperas das eleições, o governo pretende aumentar o valor do Auxílio Brasil e do Vale-Gás até o final de 2022.

A proposta do governo é subir o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 e dobrar o Vale-Gás, benefício pago a cada dois meses que em junho tem o valor de R$ 53, o que equivale a 50% do preço de referência do botijão de gás.

Publicidade

Publicidade

A ideia se tornou pública nesta quinta-feira (23/06), mesmo dia em que uma pesquisa Datafolha mostrou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) continua atrás nas intenções de voto e tem alta rejeição entre os mais pobres (60%).

Qual a proposta do governo para o Auxílio Brasil e o Vale-Gás?

Com dificuldades para melhorar desempenho nas pesquisas, governo quer aumentar Auxílio Brasil e Vale-Gás. Foto: Reprodução

A proposta do governo é recriar o Auxílio Emergencial, no valor de R$ 200, para todos as famílias que recebem o Auxílio Brasil. Com isso, o valor do benefício social chegaria a R$ 600 a poucos meses das eleições.

Enquanto isso, no caso do Vale-Gás, a ideia do governo é pagar o benefício mensalmente, ao invés de fazer os pagamentos a cada dois meses, como acontece hoje. No entanto, as medidas terão validade somente até o final deste ano.

Publicidade

Publicidade

O governo tentará incluir os aumentos do Auxílio Brasil e do Vale-Gás na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 16/2022, que prevê uma compensação aos estados que zerarem o ICMS sobre combustíveis.

Nesse caso, a proposta é abandonar a compensação aos estados e usar o dinheiro para ampliar os dois benefícios. Isso porque a avaliação é que esta medida por ter um impacto eleitoral maior para o presidente.

Governo quer aumentar chances de reeleição

Com a proposta de aumentar os benefícios, o governo quer amenizar os efeitos da alta no preço dos combustíveis no poder de compra dos brasileiros, problema que é visto como um dos principais obstáculos para a reeleição de Bolsonaro.

Nesta quinta-feira, mesmo dia em que a proposta veio a público, uma pesquisa Datafolha indicou que o presidente continua empacado em segundo lugar. Segundo o levantamento, Bolsonaro tem 28% das intenções de voto e não consegue diminuir a distância para Lula (PT), que segue em primeiro com 47%.

Além disso, a pesquisa também mostra que Bolsonaro é o candidato com maior rejeição: 55% das pessoas dizem não votar nele de jeito nenhum. Entre os mais pobres, público que será beneficiado com os aumentos nos programas sociais, a rejeição ao presidente é de 60%.

Jornalista, ator profissional licenciado pelo SATED/PR e ex-repórter do Jornal O Repórter. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.
FacebookLinkedinTwitterYoutube

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário