Financiamento imobiliário está 20% mais caro: compare qual banco tem as melhores taxas

Após o aumento da taxa Selic de 4,25% para 5,25% ao ano, o financiamento imobiliário ficou 20% mais caro, aumento que atingiu principalmente os juros de contratos prefixados.

Em uma simulação de compra de um imóvel de R$ 400 mil, com R$ 80 mil de entrada e financiamento do restante em 30 anos, paga-se R$ 45.049,98 a mais após a subida da taxa de juros.

Publicidade

Publicidade

De acordo com economistas, a previsão é de que os juros de financiamentos imobiliários continuem em uma trajetória de alta nos próximos meses, exigindo mais cuidado na compra de imóveis.

Confira, aqui, mais informações sobre os juros do financiamento imobiliário e saiba quais bancos oferecem melhores condições de pagamento!

aumento do financiamento imobiliário

O que é a taxa Selic?

A taxa Selic é a taxa básica de juros do Brasil, responsável por influenciar financiamentos, empréstimos e rendimentos de aplicações financeiras.

Publicidade

Publicidade

Sua principal função é controlar a inflação e o Banco Central faz reuniões a cada 45 dias para decidir se baixa a Selic (o que ajuda a aquecer a economia), se a mantém no mesmo patamar e ou aumenta (para desacelerar a inflação).

Quando há uma alta na Selic, a reação imediata do mercado é o aumento das taxas de juros de financiamentos. Como o governo vem aumentando consecutivamente a taxa Selic, os juros do financiamento imobiliário também têm subido progressivamente, tornando a compra de imóveis mais cara.

Qual a taxa média de juros para um financiamento imobiliário em 2021?

A taxa de juros do financiamento imobiliário varia de acordo com a modalidade eleita pelo comprador, afinal, os bancos oferecem diferentes opções para o consumidor.

Mas, em agosto de 2021 a taxa média de juros para financiamento imobiliário praticada pelo mercado é de 7,5%, sendo que há bancos que praticam percentuais menores ou maiores.

Daí a importância de cotar a contratação em diferentes instituições financeiras! Assim, dá para escolher a que oferece condições de pagamento mais atrativas.

Qual o melhor banco para fazer financiamento de imóvel em 2021?

Ainda que o financiamento de imóveis esteja passando por um momento de alta, é possível encontrar bancos que trabalham com condições mais atrativas. Confira, a seguir, quem tem as melhores taxas no momento (agosto de 2021):

Caixa Econômica Federal

Publicidade

Publicidade

O banco trabalha com quatro modalidades de financiamento de imóveis, sendo a mais barata a IPCA + taxa de juros, que é de 4,75% ao ano e tem um Custo Efetivo Total (CET) de 7,86% ao ano.

A segunda modalidade é o financiamento imobiliário – poupança, que tem taxa de juros efetiva de 7,62% ao ano e CET de 9,02% anuais. Também dá para financiar por TR (Taxa Referencial) + taxa de juros, que dá uma taxa de juros efetiva ao ano de 7,80% mais CET de 9,19%.

A opção mais cara de financiamento de imóveis da Caixa é a que tem taxa de juros fixa. Neste caso, a taxa de juros efetiva ao ano é de 9,50% e o CET é de 11%.

Bradesco

O Bradesco possui duas modalidades de financiamento, sendo a mais barata a Poupança+, que tem uma taxa de juros efetiva ao ano de 6,67% e CET de 8,02%. Já a alternativa Bradesco TR possui taxa de juros efetiva de 7,80% e CET de 9,13%.

Itaú

Publicidade

Assim como o Bradesco, o Itaú também tem duas opções de financiamento. Se quiser algo mais em conta, dá para contratar a alternativa de Juros Poupança + Taxa Fixa, que tem taxa de juros de 7,13% ao ano e CET de 8,60%.

Publicidade

Há, ainda, o financiamento Itaú – TR, que conta com taxa de juros efetiva de 7,80% ao ano e CET de 9,25%, alternativa mais cara do banco.

Banco do Brasil

O Banco do Brasil tem somente uma opção de financiamento que é a por TR. Sua taxa de juros efetiva ao ano é de 7,69%, enquanto seu CET é de 8,62%.

Santander

O financiamento imobiliário Santander possui taxa de juros efetiva de 7,99% e o CET é de 8,92%. Pode ser uma alternativa para fugir de taxas muito elevadas, com juros e CET acima de 9%.

Publicidade

Publicidade

Em todos os casos, a média de comprometimento da renda é de 30%. Portanto, se contratar um financiamento poderá destinar somente 30% de seus ganhos mensais para pagamento. Mas, o Santander oferece a opção de até 35%, dependendo do resultado da análise de crédito.

Gestor de Projetos e Pessoas da WebGo Content. Especialista em SEO e novos Projetos. Formado em Relações Públicas (PUC/PR) e experiência de mais de 10 anos no Marketing Digital.
FacebookLinkedinTwitter

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário