Número de brasileiros conectados à internet cresce para 152 milhões

A pesquisa TIC Domicílios 2020, feita pelo Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação), com apoio da Unesco e do Cgi.br (Comitê Gestor da Internet no Brasil) foi divulgada nesta quarta-feira. Ela revelou que 81% da população brasileira está conectada à internet. Isso representa 152 milhões de pessoas.

Quais pessoas se conectaram mais à internet nos últimos anos?

Acesso à internet aumenta no pais
Mais pessoas estão conectadas à internet no Brasil, mas país enfrenta muitos desafios para universalizar o acesso. (Imagem: Pixabay / Divulgação)

Os dados da pesquisa mostram que, principalmente, pessoas em áreas rurais estão com mais acesso à internet, de 2019 para 2020. Esse número passou de 53% para 70% em apenas um ano. 

Publicidade

Publicidade

O mesmo fenômeno aconteceu com pessoas maiores de 60 anos. Em 2019, 34% dos entrevistados nessa faixa etária estavam conectados à internet. No ano passado, esse índice subiu para 50%.

Estudantes do ensino fundamental, mulheres e pessoas de classes sociais D e E também tiveram alta na conectividade com a rede.

Isso pode ser explicado pela pandemia de covid-19, já que os serviços online ganharam mais destaque e por questões financeiras, como a implementação do PIX e o pagamento do Auxílio Emergencial de forma online. 

Publicidade

Publicidade

Desigualdade no acesso à internet no Brasil

A pesquisa TIC Domicílios 2020 traz dados positivos sobre o aumento da população brasileira que está conectada à internet, mas também ressalta os desafios da desigualdade social no país. 

O estudo revela que pessoas em as classes sociais mais altas, com maior escolaridade e mais jovens são as que mais estão presentes no universo digital. Isso acontece pelo custo do acesso a internet, como pacotes de banda larga ou de 4g.

Outro dado interessante da TIC Domicílios 2020 é que a conexão à internet por meio de smart tvs aumentou de 37% em 2019 para 44% no ano passado. Ter esse tipo de dispositivo é um luxo para as classes sociais altas. 

Para quais atividades a internet tem sido acessada?

A pandemia de covid-19 intensificou o acesso à internet no Brasil, como dito anteriormente. Muitas pessoas precisaram começar a estudar, trabalhar, encontrar formas de lazer e alternativas de compras no ambiente digital.

Alunos de 10 a 15 anos, por exemplo, fizeram 91% dos seus trabalhos escolares na internet. 

As transmissões ao vivo de áudio ou vídeo tiveram alta de 17 pontos percentuais de 2016 para 2020. 

Publicidade

Publicidade

As transações financeiras online se tornaram mais comuns, com aumento de 10 pontos percentuais em relação a 2019. Na época, 33% dos entrevistados faziam isso. Em 2020, 43% deles afirmaram que fizeram consultas, pagamentos ou transferências pela internet. 

Ouvir música ou mandar mensagens por este meio já são atividades comuns há alguns anos. O que mais se destacou na pesquisa foi a realização de videochamadas, com o objetivo de manter contato com amigos e familiares durante o período de isolamento social mais rígido. 

Cerca de 80% dos participantes do estudo fizeram isso, em especial pessoas que se enquadram na Classe A (93%) e que têm o ensino superior (90%). 

Desafios para a conectividade dos brasileiros

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) estabelece alguns desafios para a universalização da internet no Brasil. 

Publicidade

Um deles é o acesso por estudantes em suas residências. O Idec revela que seis milhões de alunos vivem completamente desconectados em casa. A maioria deles, 4,2 milhões, estão no Ensino Fundamental.

Publicidade

As famílias com menos poder financeiro que conseguem se conectar minimamente, fazem isso pelo celular, o que dificulta a realização de atividades pedagógicas propostas pelas escolas. 

Enquanto cerca de 70% dos estudantes das classes A e B utilizaram notebook e 46% utilizaram um computador de mesa, nas classes C estes números caem para 32% e 19%, respectivamente, e, nas classes D/E, para 12%.”, aposta o estudo do Idec. 

Outra questão levantada pelo estudo, é a dificuldade geral de ter acesso fixo à internet, que tem origem nos pacotes de dados e conexão limitada.

Isso, novamente, revela problemas de desigualdade social no país. Por mais que 150 milhões de pessoas estejam conectadas, a penetração da internet no Brasil ( o número de usuários dividido pela população) é de 70%.

Publicidade

Publicidade

Neste cenário, os altos custos de internet e a falta de alfabetização digital são as razões mais plausíveis para os baixos índices de penetração da internet no país. 

Fontes: Uol e Idec.

Formada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário