Bancos que oferecem o Desenrola Brasil: ESSES 7 já confirmaram o programa

Felipe Matozo

03/07/2023

O Desenrola Brasil, programa de renegociação de dívidas do governo federal, começa a funcionar a partir deste mês de julho, e grandes bancos já confirmaram que participação o programa.

Além disso, outras instituições confirmaram que estão estudando a participação. A seguir, você confere os bancos que já confirmaram que irão participar do Desenrola Brasil e aqueles que podem oferecer renegociações de dívidas pelo programa.

Bancos que Oferecem o Desenrola Brasil

Bancos que oferecem o Desenrola Brasil ESSES 7 já confirmaram o programa

Confira os bancos que já confirmaram participação no Desenrola Brasil e outros que também podem participar.

Até o momento, sete bancos de destaque no setor financeiro já confirmaram que irão participar do programa de renegociação de dívidas do governo. Esses bancos que oferecem o Desenrola Brasil são os seguintes:

  1. Banco do Brasil
  2. Itaú
  3. Bradesco
  4. Santander
  5. Inter
  6. C6
  7. Pan

Portanto, consumidores que têm dívidas abertas com as instituições acima já podem começar a se planejar para pôr suas finanças em dia.

Bancos que Podem Participar do Desenrola Brasil

Além dos bancos que já confirmaram que irão oferecer renegociação de dívidas pelo programa, outros estão estudando a participação no Desenrola Brasil. São eles:

  • Banrisul
  • Nubank
  • Caixa Econômica Federal

No caso da Caixa, banco com o maior número de clientes no Brasil, a instituição destacou que “tem interesse em participar” e está avaliando os impactos operacionais.

Como vai Funcionar o Desenrola Brasil?

O programa Desenrola Brasil deve atender 70 milhões de pessoas em duas faixas diferentes, de acordo estimativas do governo. As regras para cada faixa foram divulgadas na última semana.

Faixa 1

A primeira faixa do programa é voltada para pessoas que ganham até dois salários mínimos por mês ou que estão registrados no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais).

Os devedores que se enquadram nesta categoria terão a oportunidade de renegociar dívidas de até R$ 5 mil, desde que tenham sido acumuladas entre 1º de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2022.

No entanto, existem algumas exceções, como dívidas garantidas por bens, dívidas de crédito rural, dívidas de financiamento imobiliário e operações com risco de terceiros, que não são elegíveis para negociação.

Os termos de pagamento para a Faixa 1 incluem uma taxa de juros máxima de 1,99%, uma parcela mínima de R$ 50 e a possibilidade de pagamento em até 60 parcelas. Além disso, há um período de carência que varia entre 30 e 59 dias.

Faixa 2

A segunda faixa do programa é destinada a pessoas com renda mensal de até R$ 20 mil. Esses indivíduos podem renegociar dívidas que foram contraídas até 31 de dezembro de 2022 e ainda estão ativas.

Entretanto, assim como na Faixa 1, existem algumas dívidas que não se enquadram no programa. Isso incluí dívidas:

  • relacionadas ao crédito rural;
  • garantidas pela União ou por uma entidade pública;
  • que não têm o risco de crédito totalmente assumido pelos agentes financeiros;
  • que têm qualquer tipo de previsão de aporte de recursos públicos;
  • sem qualquer equalização de taxa de juros por parte da União.

As negociações para a Faixa 2 podem ser realizadas tanto através do programa oficial do Desenrola Brasil quanto diretamente com as instituições financeiras.

Desenrola Brasil começa em Julho

De acordo com o cronograma do programa Desenrola Brasil, a partir de julho as pessoas que se enquadram na faixa 2 poderão iniciar as negociações com os bancos.

Em agosto, o governo fará um leilão para definir as empresas que participarão do Desenrola Brasil. No leilão, aquelas que oferecerem mais descontos em dívidas serão contempladas.

Enquanto isso, as renegociações de dívidas para a faixa 1 do Desenrola Brasil devem começar em setembro.

Fonte: Isto É Dinheiro.

Você também pode gostar de ler
Tudo sobre o Desenrola Brasil: principais dúvidas respondidas

Felipe Matozo
Escrito por

Felipe Matozo

Jornalista, ator profissional licenciado pelo SATED/PR e ex-repórter do Jornal O Repórter. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.