Dilma chama Temer de golpista; ex-presidente rebate: “não merece resposta”

Dilma chama Temer de golpista; ex-presidente rebate não merece resposta (Imagem: No Detalhe)
Dilma chama Temer de golpista; ex-presidente rebate não merece resposta (Imagem: No Detalhe)

Na última quinta-feira (21), o ex-presidente Michel Temer (MDB), em entrevista ao UOL, afirmou que a também ex-presidente, Dilma Rousseff (PT), apesar de ser “honestíssima“, foi vítima de um processo de impeachment em 2016 porque “teve dificuldade no relacionamento com a sociedade e com o Congresso Nacional“, contrariando a narrativa da esquerda de que o movimento se tratou de um golpe.

De acordo com Temer, não houve golpe contra a ex-presidente, que foi afastada do cargo, no entendimento do Congresso, pelas chamadas “pedaladas fiscais”. Na entrevista, o ex-presidente afirmou que “quem derruba presidente por impeachment não é o Congresso Nacional, é o povo na rua que influencia o Congresso“, fazendo referência às manifestações contra o PT na época do impeachment.

Publicidade

Publicidade

Essa manifestação de Temer despertou a ira de Dilma, que respondeu em uma nota oficial de forma acalorada, e resultou em uma troca de farpas entre os dois lados. Confira os detalhes a seguir.

Resposta de Dilma

Dilma chama Temer de golpista; ex-presidente rebate não merece resposta (Imagem: No Detalhe)
Dilma chama Temer de golpista; ex-presidente rebate não merece resposta (Imagem: No Detalhe)

Em uma nota oficial divulgada em seu site, a ex-presidente Dilma Rousseff respondeu ao comentário de Temer, reafirmando a natureza golpista do movimento político e exigindo que sua honestidade pessoal não fosse utilizada para limpar a barra do ex-presidente.

Eu agradeceria que o senhor Michel Temer não mais buscasse limpar sua inconteste condição de golpista utilizando minha inconteste honestidade pessoal e política“, escreveu Dilma. “É justamente essa qualidade que despreza, rejeita e repudia uma avaliação que parte de alguém que articulou uma das maiores traições políticas dos tempos recentes“.

Publicidade

Publicidade

Dilma vai além e lista algumas “provas materiais“, nas palavras dela, da possível articulação golpista, dentre elas a PEC do Teto de Gastos, a Reforma Trabalhista e a política do Preço de Paridade Internacional (PPI), implementada durante o breve mandato de Temer e usada até hoje pela Petrobras para aumentar o preço dos combustíveis.

A ex-presidente também lembra que “ter dificuldade para se relacionar com o Congresso Nacional” não está previsto na constituição como justificativa para um impeachment e termina com uma dura profecia ao ex-presidente: “a História não perdoa a prática da traição“.

Depois da divulgação dessa nota, Michel Temer usou seu Twitter para responder sucintamente: “É tão desarrazoada a manifestação da ex-presidente Dilma Rousseff que não merece resposta“.

Lembrando que, na quarta-feira (20), o Partido dos Trabalhadores aprovou uma resolução defendendo a candidatura de Lula à presidência nas eleições deste ano. Na resolução, o PT afirma que o processo político de 2016 “levou ao poder um projeto neoliberal e fez o Brasil retroceder em conquistas sociais, políticas públicas e investimentos do Estado para o crescimento e geração de empregos e renda“.

Você também pode gostar de ler:
5 mentiras contadas por Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas (rebatidas pelo TSE)

Alexandre PeresEditor, redator e revisor da WebGo Content, graduado em Letras – Português/Inglês. Tem experiência com redação, revisão e editoração de textos para Web.
Veja mais ›
Fechar