Bolsa Presença pagou mais uma parcela de R$ 150 para famílias de estudantes da rede estadual

Na última quinta-feira (10/06), o Governo da Bahia pagou a segunda parcela do programa Bolsa Presença. O benefício mensal no valor de R$ 150 voltado estudantes da rede estadual em situação de vulnerabilidade socioeconômica foi sancionado em março pelo governador Rui Costa (PT).

A iniciativa do Governo do Estado atende 311 mil famílias e 357 mil estudantes e visa dar um suporte financeiro à população mais vulnerável, além de fortalecer a aprendizagem dos alunos da rede estadual de ensino e evitar o abandono escolar.

A expectativa é que o programa Bolsa Presença tenha duração de até seis meses, e todos os beneficiários terão acesso às outras quatro parcelas, segundo o governo baiano.

bolsa presença bahia
Foto: Amanda Perobelli/Reuters

De acordo com Marcius Gomes, coordenador executivo de Programas e Projetos Estratégicos da Secretaria da Educação do Estado (SEC), a questão socioeconômica é a principal causa do abandono escolar. Por conta disso, medidas como o auxílio do Bolsa Presença são necessárias para conter esse fenômeno.

Como uma das principais estratégias no país para busca ativa, o objetivo do programa é assegurar a permanência dos estudantes por meio do estímulo de uma bolsa permanência, garantindo o desenvolvimento de atividades pedagógicas orientadas pela escola, em parceria com a família dos estudantes em situação de pobreza e extrema pobreza”, declarou Gomes.

O primeiro crédito do Bolsa Presença foi pago no final de abril, e os beneficiários podem utilizar o valor do auxílio nos estabelecimentos autorizados e credenciados pela operadora do cartão Bolsa Presença.

Para mais informações sobre o benefício, basta acessar a página do programa no site do Governo do Estado.

Veja também: Auxílio Emergencial vai ser estendido até setembro – Saiba quem vai receber

Quem tem direito a receber o Bolsa Presença?

Para ter direito ao auxílio do Bolsa Presença, os beneficiários devem cumprir os seguintes requisitos para não perderem a bolsa:

  • A família deve estar cadastrada no Cadastro Único do governo federal (CadÚnico) na faixa de pobreza (renda mensal de até R$ 178 por pessoa) ou extrema pobreza (de até R$ 89 por pessoa);
  • O aluno matriculado deve ter presença mínima de 75% nas aulas;
  • Tanto o estudante quanto a sua família devem participar das atividades e avaliação escolares, para permitir a orientação do acompanhamento pedagógico;
  • Beneficiários devem desenvolver o projeto de vida e intervenção social;
  • É preciso manter os dados cadastrais na unidade escolar e no CadÚnico atualizados.

Além disso, é importante destacar que é possível participar do Bolsa Presença e dos programas “Mais Estudo” e “Vale Alimentação Estudantil” ao mesmo tempo. O primeiro programa oferece um bolsa de R$ 100 para 52 mil monitores, enquanto o segundo paga um vale-alimentação de R$ 55 por estudante.

Por outro lado, famílias com mais de um aluno matriculado na rede estadual não podem acumular o benefício, pois o programa prevê apenas uma bolsa por família.

Cronograma de pagamentos do Bolsa Presença

O Governo da Bahia não disponibilizou um cronograma com as datas para pagamento das demais parcelas do benefício. Sendo assim, os beneficiários precisam ficar atento às informações que surgem sobre o programa.

Vale lembrar que a primeira parcela do Bolsa Presença foi paga no dia 27 de abril e a segunda no dia 10 de junho. Se seguir nesse mesmo ritmo, a tendência é que a sexta parcela seja paga em dezembro.

Veja também: Bolsa Família terá novo auxílio emergencial liberado pelo governo?

Pagamentos de bolsas do programa Mais Estudo também começaram

Outra iniciativa do Governo da Bahia para fortalecer as aprendizagens entre alunos do estado é o Mais Estudo, que oferece uma bolsa mensal de R$ 100 para os participantes. Nesta iniciativa, estudantes da rede estadual atuam como monitores, ajudando colegas em Matemática, Língua Portuguesa e Educação Científica.

O governo estadual ofereceu 52 mil vagas para esta edição do Mais Estudo. As monitorias do programa acontecem de forma remota e no contraturno, a partir do uso de diferentes ferramentas digitais.

Segundo Manuelita Brito, superintendente de Políticas para a Educação Básica do Estado, as escolas e a própria Secretaria da Educação acompanham as monitorias. Para isso, os monitores precisam entregar relatórios mensais com as atividades realizadas para terem direito ao valor da bolsa, explicou a superintendente.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado da Bahia.

Felipe Matozo
Jornalista formado pelo Centro Universitário Internacional Uninter, repórter do Jornal O Repórter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário