Confirmada a destruição do Antonov An-225; Quais os impactos para a economia global?

Descubra aqui como a destruição do Antonov An-225, até então maior avião cargueiro em operação no mundo, afeta a economia global.

Recentemente, o governo ucraniano confirmou a destruição do maior avião do mundo, o famoso Antonov An-225, depois de um bombardeio no Aeroporto de Gostomel, na capital da Ucrânia, Kyiv, em decorrência da invasão do país pela Rússia.

Rumores sobre a destruição do avião passaram a circular nas redes sociais desde o final de fevereiro de 2022, mas a informação foi confirmada apenas recentemente. Nesta sexta-feira (4), inclusive, uma TV estatal russa divulgou imagens do avião, chamado “Mriya” (“sonho”, em ucraniano), completamente destruído.

Publicidade

Publicidade

Considerado antes da destruição como o maior avião em operação, o Mriya tinha capacidade de incríveis 640 toneladas, decolando graças à presença de seis motores e trens de pouso compostos por 32 pneus. Ele havia passado recentemente por uma manutenção, tendo recebido uma troca de motor e implementações no sistema de navegação.

O governo ucraniano já se pronunciou sobre a destruição do Antonov An-225 e prometeu reconstruí-lo assim que possível.

Destruição do Antonov An-225: quais os impactos na economia?

Confirmada a destruição do Antonov An-225; Quais os impactos para a economia global? (Imagem: Reprodução/Twitter)
Confirmada a destruição do Antonov An-225; Quais os impactos para a economia global? (Imagem: Reprodução/Twitter)

É bem possível que a destruição do Antonov An-225 traga algumas consequências para a economia global, embora que pequenas, já que há outros aviões cargueiro de grande porte em circulação, como o Statolaunch (até 590 toneladas), o Aribus A380 (572 toneladas) e o Boeing 747 (447,7 toneladas).

Publicidade

Publicidade

Embora conseguisse levantar voo com até 640 toneladas, isso não significa que o Antonov An-225 conseguia transportar tudo isso de carga, pois o valor já incluía o peso da própria aeronave. Na prática, ele tinha capacidade para transportar até 250 toneladas em seu compartimento de carga, e por isso era usado para o transporte de peças entre indústrias.

Por exemplo: em 2016, o Antonov An-225 foi utilizado para transportar do Brasil (passando pelos aeroportos de Guarulhos e Campinas) um gerador de 150 toneladas (mais a base do equipamento) em direção ao Chile. Anos antes, em 2010, ele transportou 110 toneladas de equipamentos de construção civil de Tóquio para o Aeroporto de Santo Domingo, no Haiti, para ajudar na reconstrução do país após o terremoto. Em seguida, ele transportou três válvulas para a Refinaria de Paulínia (REPLAN), pousando no Aeroporto Internacional de São Paulo, a serviço da Petrobrás.

Agora, por ter sido tragicamente retirado de operação, a economia de vários países pode ser afetada a longo prazo, pois o transporte de grandes peças e maquinários pode se tornar mais difícil — e, principalmente, mais caro.

Dentre as opções disponíveis, além dos demais aviões cargueiros mencionados nesta matéria, é possível fazer o transporte destas peças por terra. Porém, um transporte por terra custa bem mais caro e leva bem mais tempo do que pelo ar, já que nem mesmo as ruas são projetadas para suportar tanto peso.

Gostou dessa matéria? Pois aproveite e confira também:
Pão Francês mais caro? Essa pode ser uma consequência da invasão da Ucrânia

Editor, redator e revisor da WebGo Content, graduado em Letras – Português/Inglês. Tem experiência com redação, revisão e editoração de textos para Web.
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário