Homens são as principais vítimas de golpes financeiros

De alguns anos pra cá, os golpes financeiros começaram a surgir pela internet. O que antes era normalmente feito por telefone, com uma ligação, agora está nas telas de celulares e computadores. Os golpistas se adaptaram ao meio digital e estão conseguindo enganar muita gente pelo WhatsApp, redes sociais e em sites de vendas, como o Mercado Livre, por exemplo. 

Mas quem são as maiores vítimas de crimes como esses? Uma pesquisa feita pelo Centro de Estudos Comportamentais e Pesquisas (Cecop), da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mostra que, geralmente, os homens acabam caindo mais em golpes financeiros. 

Publicidade

Publicidade

O mais curioso é que, de acordo com o estudo, esses homens são adultos, de 30 a 39 anos e com escolaridade. A maioria deles tem Ensino Superior e Pós Graduação. Além disso, a renda familiar mensal dele fica entre dois e cinco salários mínimos. 

Quais são os golpes financeiros mais comuns?

Homens são as maiores vítimas de golpes financeiros
Homens são as vítimas mais comuns de golpes financeiros. Entenda! (Imagem: FreeStock / Divulgação)

A sondagem do Centro de Estudos Comportamentais e Pesquisas (Cecop) analisou a resposta de mais de mil participantes. Destes, 178 foram vítimas de golpes. Os principais produtos que estavam envolvidos nos crimes foram:

  • 43,3%: criptomoedas;
  • 29,8%: mercado Forex, para transações de câmbio;
  • 16,9%: opções binárias;
  • 15,2%: ações. 

Os meios de comunicação utilizados pelas vítimas, quando elas caíram em golpes financeiros foram:

Publicidade

Publicidade

  • 27,5%: WhatsApp;
  • 19,7%: divulgação boca a boca;
  • 12,4%: email;
  • 12,4%: ligação telefônica. 

Em entrevista à Agência Brasil, o superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores (SOI) da CVM, José Alexandre Vasco, explica que as criptomoedas são os alvos dos golpistas atualmente. 

Por serem uma coisa inovadora, elas têm predominado nos golpes. Daqui a cinco anos, se a gente fizer uma nova pesquisa, será outra coisa. Porque a prática não muda; o que muda são os embustes”, diz Vasco. 

Antigamente, de acordo com ele, produtos como bois gordos, avestruz e contratos de risco coletivo eram os mais comuns em tentativas de fraudes. 

Por que os homens são as maiores vítimas de golpes financeiros?

De acordo com o Cecop, o motivo pelo qual os homens, entre 30 e 39 anos, com Ensino Superior e Pós Graduação são o perfil mais comum de pessoas que são enganadas, é porque eles, atualmente, são os  que mais investem em operações financeiras. 

Além disso, a alta confiança pode ser outra característica deste perfil. 

Talvez esse excesso de confiança seja uma característica de confiança mais dos investidores masculinos do que das investidoras. Essa dúvida talvez tenha salvado muitas pessoas de caírem em uma coisa alternativa ou estranha”, afirma  Vasco. 

Nas situações analisadas pelo centro, os valores perdidos variaram de R$ 100 a mais de R$ 100 mil. A maioria das vítimas investiu entre R$ 10.001 e R$ 50 mil e entre R$ 1.001 e R$ 5.001 mil. 

Fraudes mais comuns

A empresa de segurança Psafe calcula que, ao menos, uma pessoa pode ser impactada por um golpe financeiro a cada seis segundos. Só no primeiro semestre deste ano, 2,3 milhões de tentativas de golpes foram registradas pela empresa. 

Publicidade

Publicidade

A Psfae caracteriza golpe financeiro como uma forma de roubar informações pessoais e bancárias da vítima. 

O cibercriminoso se passa por um banco solicitando o bloqueio ou desbloqueio de um cartão de crédito através de um link, ou pedindo a confirmação de dados bancários supostamente para bloquear uma compra não autorizada. A vítima, aflita e com medo de estar sofrendo uma fraude, é convencida a informar dados sensíveis que serão utilizados nos golpes“, explica em comunicado Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, o laboratório de segurança digital da Psafe. 

Simoni ressalta que, por conta de inúmeros vazamentos de dados pessoais da população brasileira, o melhor é desconfiar de qualquer solicitação de informações via internet ou telefone. 

Se no passado, um banco ligasse para você, dissesse seu nome completo e CPF, você poderia confiar que era realmente alguém do banco ao telefone. Hoje em dia, com os criminosos de posse dessas informações vazadas, é preciso sempre desconfiar e não passar mais dados se não tiver certeza sobre quem está solicitando as informações”, explica o diretor do dfndr lab. 

Alguns dos golpes que mais chamaram a atenção no último ano foram:

  • Golpe da assistência técnica: golpistas se passam por profissionais de T.I na internet, entram em contato com internautas alegando que o computador deles está com problemas e, quando o cliente aceita o auxílio, roubam informações pessoais e bancárias dele;
  • Vaga de trabalho falsa: anúncios de vagas de trabalho falsos pedem para que candidatos paguem para participarem de processos seletivos ou solicitam uma documentação desnecessária, para roubar dados;
  • Phishing: mensagens por aplicativos de mensagem carregam links que direcionam o usuário a um site de roubo de informações pessoais. 

Fontes: Agência Brasil e Uol

Publicidade

Marina Darie
Formada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário