Loterias são as principais apostas de muitas famílias durante a crise. Mega da Virada é esperança

Aumento da pobreza no país, durante a pandemia de covid-19, levou ao crescimento do número de apostas nas loterias
Aumento da pobreza no país, durante a pandemia de covid-19, levou ao crescimento do número de apostas nas loterias. Mega da Virada é esperança para muitos. (Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Jogar nas loterias, ou fazer uma fezinha,é um hábito para muitos brasileiros. Na maioria das vezes, os números dos bilhetes são escolhidos aleatoriamente, sem tanta expectativa de ganhar, mas ainda com a esperança de que, em um grande dia, a grande quantia de dinheiro sorteada entre na conta corrente. 

Mas o que antes era um hobby, ou uma leve esperança, agora se torna quase um pedido de socorro. A crise econômica brasileira, agravada pela pandemia de covid-19, aumentou os níveis de pobreza no Brasil, que ainda não conseguiram ser resolvidos com os programas sociais, como Auxílio Emergencial e Auxílio Brasil.

Publicidade

Publicidade

Esses benefícios não conseguem acompanhar a inflação no país. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo 15 (IPCA-15), que é considerado uma prévia da inflação, fechou o ano com 10,42%,por exemplo. 

Neste cenário, mais e mais pessoas estão apostando nas loterias para mudar de vida. Um levantamento da Caixa feito a pedido do EXTRA mostra que, na comparação entre janeiro e novembro de 2019 e 2021, a arrecadação da loteria cresceu cerca de 10%. Ela passou de R$14,5 bilhões para R$15,7 bilhões neste período. Além disso, o ticket médio também aumentou, passando de R$ 5,81 por aposta para R$ 7.

Como está a pobreza no país?

Aumento da pobreza no país, durante a pandemia de covid-19, levou ao crescimento do número de apostas nas loterias
Aumento da pobreza no país, durante a pandemia de covid-19, levou ao crescimento do número de apostas nas loterias. Mega da Virada é esperança para muitos. (Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) mostram de que forma a pandemia de covid-19 impactou a vida dos latinos. Em 2020 houve a piora dos índices de desigualdade na região e nas taxas de ocupação e participação no mercado de trabalho. A pobreza e a extrema pobreza também alcançaram níveis que não eram vistos nos últimos 12 a 20 anos. 

Publicidade

Publicidade

A CEPAL estima que o número de pessoas pobres aumentou para 209 milhões no final de 2020 na América Latina. Esse total representa 22 milhões de pessoas a mais do que em 2019. 

A pandemia evidenciou e exacerbou as grandes lacunas estruturais da região e, atualmente, vive-se um momento de elevada incerteza em que ainda não estão delineadas nem a forma nem a velocidade da saída da crise. Não há dúvida de que os custos da desigualdade se tornaram insustentáveis ​​e que é necessário reconstruir com igualdade e sustentabilidade, apontando para a criação de um verdadeiro Estado de bem-estar, tarefa há muito adiada na região”, afirmou Alicia Bárcena, Secretária-Executiva da Comissão Regional das Nações Unidas, durante a apresentação do relatório anual Panorama Social da América Latina 2020.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou outros dados que tratam sobre a pobreza no Brasil no início deste mês, por meio do levantamento Síntese dos Indicadores Sociais (SIS). Ele mostra que, aproximadamente, um em cada quatro brasileiros viveu abaixo da linha de pobreza no ano passado, mesmo com os programas sociais. Isso representa cerca de 51 milhões de pessoas. 

Se nenhuma iniciativa tivesse sido feita, seja pelo Governo Federal, governos estaduais ou prefeituras, 10% dos mais pobres viveriam com R$13,00 por mês ou R$0,43 por dia. 

Como apostar na Mega da Virada nas loterias?

Neste panorama nada fácil, os brasileiros estão jogando na Mega da Virada, que vai sortear um prêmio de R$350 milhões – considerado o maior da história. Por ser um prêmio especial, o valor não é acumulado se não houver um único ganhador. Se nenhum brasileiro acertar os seis números, o dinheiro será dividido para os apostadores que chegarem mais próximo do resultado sorteado. 

Para apostar, basta ir até uma lotérica ou fazer uma aposta online. Nas duas situações é necessário marcar de 6 a 15 números dentre os 60 disponíveis no bilhete, que custa R$4,50. 

Quem tem o Internet Banking da Caixa também pode comprar a aposta pelo computador, tablet ou smartphone, mas neste caso é necessário ter conta corrente e ser maior de 18 anos. Se preferir, o apostador pode deixar que o sistema escolha os números por meio do sistema aleatório chamado Surpresinha. 

Publicidade

Publicidade

Caso apenas um ganhador leve o prêmio e invista ele na poupança, ele consegue um rendimento de mais de R$1,5 milhão por mês. De acordo com a Caixa, também é possível comprar 40 mansões, no valor de R$ 8,75 milhões cada, com os R$350 milhões que serão sorteados no dia 31 de dezembro. 

 

Marina DarieFormada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!
Veja mais ›
Fechar