Conta de luz vai ficar 16,7% mais cara em 2022, estima Aneel

De acordo com avaliações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a conta de luz pode ficar ainda mais cara no ano que vem. A princípio, a estimativa é de uma alta de 16,68%, em média.

Com a crise hídrica que afeta as principais usinas hidrelétricas do país, a Aneel já analisa medidas para amenizar os efeitos no bolso dos consumidores. O objetivo da agência é evitar que o aumento na conta de luz chegue a dois dígitos, ou seja, mais de 10%.

Publicidade

Publicidade

Os dados foram divulgados pelo superintendente de Gestão Tarifária da agência, Davi Antunes Lima, em audiência pública na manhã desta segunda-feira (17/08) na Comissão de Legislação Participativa da Câmara.

conta de luz mais cara
Após aumentos em 2021, conta de luz deve ficar ainda mais cara no próximo ano. Foto: Reprodução/Cool Wallpapers

Segundo Lima, é possível que ações projetadas pela agência reguladora consigam reduzir o tamanho do reajuste para o consumidor final. Mas uma destas ações é a antecipação de até R$ 8,5 bilhões em recursos decorrentes da privatização da Eletrobras, medida apontada por especialistas como algo que pode deixar a conta de luz mais cara a longo prazo.

Com essas medidas adicionais, em vez dos 16,68% previstos para 2022, a gente ainda tem uma previsão de reajuste de 10,73%, mas estamos ainda estudando alternativas”, afirmou o superintendente da Aneel.

Apesar de menor do que o valor inicial apontado pela agência, o reajuste de 10,73% ainda estaria na casa dos dois dígitos, e representaria uma alta sentida para os consumidores que já vêm enfrentando uma série de aumentos em 2021.

Publicidade

Publicidade

Vale lembrar que os reajustes projetados pela Aneel representam valores médios, pois a tarifa é diferente em cada região e varia conforme a distribuidora.

Veja também: Distribuidoras liberam parcelamento e negociação de conta de luz atrasada pelo Whatsapp – saiba como fazer

Por que a conta de luz está mais cara?

O aumento na tarifa de energia tem sido um problema comum para os brasileiros neste ano, e as previsões de novas altas para 2022 só pioram o cenário de preocupação.

Conforme destaca o superintendente da Aneel, a atual crise hídrica no país, que é a maior dos últimos 91 anos, é um dos principais fatores para os aumentos. Em julho, por exemplo, a projeção de alta na tarifa chegou a 60% por conta da crise.

Isso acontece porque a falta de água faz com que o país dependa mais das usinas termelétricas, que são mais caras. Em 2021, a crise hídrica fará com que o governo gaste R$ 4 bilhões a mais do que o previsto com estas usinas, o que vai diretamente para o bolso do consumidor.

Parte do custo gerado pelo uso das termelétricas é coberto pelas bandeiras tarifárias: quanto menor o nível dos reservatórios, maior o patamar da bandeira. Nos últimos meses, os brasileiros estão pagando pela bandeira vermelha patamar 2, que é a mais cara deste sistema.

Publicidade

Publicidade

Atualmente, a bandeira vermelha 2 representa um adicional de R$ 9,49 para cada 100 kWh consumidos. No entanto, o valor mais alto ainda não é suficiente para cobrir os custos das termelétricas.

Mas a crise hídrica não é o único fator que explica os valores altos da tarifa. Outra situação citada pelo diretor da Aneel é a alta dólar, que interfere na conta de luz porque porque o custo da usina de Itaipu é cobrado na moeda estadunidense.

Segundo a Aneel, o impacto das medidas da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG), comitê de crise criado pelo governo, será de R$ 2,4 bilhões a R$ 4,3 bilhões.

Alternativas para economizar energia

Diante de tantos aumentos na tarifa e com o dinheiro rendendo cada vez menos, a única coisa que resta aos brasileiros é tentar economizar energia.

Publicidade

Nesse caso, é muito importante ficar atento aos principais vilões da conta de luz. Entre eles estão os equipamentos que geram calor, como chuveiro elétrico e aquecedor. Por isso, uma das principais dicas para economizar energia é evitar banhos longos.

Publicidade

Além disso, outras estratégias simples citadas por especialistas incluem:

  • Comprar aparelhos elétricos com selo PROCEL de eficiência energética, sabendo que eletrodomésticos mais antigos costumam gastar mais energia;
  • Evitar deixar o celular na tomada depois que ele estiver completamente carregado;
  • Aproveitar a luz natural do dia;
  • Tirar os aparelhos da tomada quando eles não estiverem em uso;
  • Usar lâmpadas LED, que consomem até 80% menos do que as convencionais;
  • Passar roupas de uma única vez e usar o ferro desligado nas leves;
  • Conferir o estado da borracha de vedação da porta da geladeira e não utilizar a parte de trás para secar panos.

Fonte: IG.

Jornalista, ator profissional licenciado pelo SATED/PR e ex-repórter do Jornal O Repórter. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.
FacebookLinkedinTwitterYoutube

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário