Evite ao máximo fazer isso com a fatura do seu cartão de crédito

Pagar o mínimo da fatura do cartão de crédito para o banco é um grande problema, por conta dos juros que recaem sobre o valor restante.

Por mais que o cartão de crédito possibilite que grandes compras sejam feitas sem que pesem muito no bolso de uma só vez, ele é o maior vilão do endividamento entre os brasileiros, principalmente por conta da fatura.

Cada pequena compra, que parece inofensiva, resulta em uma grande quantia no final do mês e assusta os consumidores, que não conseguem pagá-la por completo e fazem apenas o pagamento mínimo requisitado pelo banco. 

Publicidade

Publicidade

O grande problema é que o valor que não foi quitado será lançado na próxima fatura com o acréscimo de taxas e juros. Assim, a dívida ganha proporções ainda maiores e se torna uma bola de neve! O nome desse processo é crédito rotativo.

Agora, imagine se isso acontecer todos os meses com mais de um cartão de crédito. Uma pesquisa feita pela Serasa aponta que 70% dos brasileiros têm três ou mais cartões:

  • 29% dos entrevistados têm cinco ou mais cartões;
  • 18% têm quatro cartões;
  • 23% têm três cartões;
  • 21% têm dois cartões;
  • 9% dos entrevistados têm somente um cartão.

Quais são os juros cobrados para quem pagar o mínimo da fatura do cartão de crédito?

Evite ao máximo fazer isso com a fatura do seu cartão de crédito
Você sabe como funciona o crédito rotativo do cartão de crédito? O No Detalhe te explica. (Imagem: Pexels / Divulgação)

Em janeiro deste ano, os juros do cartão de crédito rotativo ficaram em 346,3%, de acordo com o Banco Central (BC). No mesmo mês do ano anterior, eles atingiram 329,7%. Dados do BC mostram que, em 2021, a busca pelo rotativo do cartão de crédito foi a maior em dez anos.  

Publicidade

Publicidade

O crédito concedido chegou a R$ 224,7 bilhões no ano passado, o que representa uma média mensal de R$ 18,7 bilhões. Em 2020, as concessões no cartão de crédito rotativo para pessoa física totalizaram R$182,7 bilhões, ou R$ 15,2 bilhões por mês. 

Mesmo com esses grandes valores e impactos no orçamento, 84% das pessoas que usaram o cartão de crédito nos últimos 12 meses desconhecem a taxa de juros cobrada no rotativo, segundo uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Sebrae e divulgada em novembro do ano passado. 

Mudança na legislação sobre o rotativo

Com o objetivo de evitar que os consumidores fiquem eternamente endividados, o Banco Central instituiu novas regras em 2017 sobre o crédito rotativo do cartão de crédito. Com elas, só é possível ficar no rotativo por até 30 dias. 

Depois desse período, é possível escolher entre pagar o valor integral ou parcelar a fatura. Além disso,  a taxa de juros do parcelamento deverá ser menor do que a do rotativo.

Como evitar o endividamento com o cartão de crédito?

Antes de mais nada, para evitar o endividamento com o cartão de crédito, é importante que o consumidor tenha um controle financeiro: faça planilhas com os gastos, anote cada compra feita no cartão de crédito e guarde dinheiro para pagar a fatura. 

Se isso não acontecer, ele vai precisar ser estratégico. Especialistas orientam que, se possível, o consumidor que está endividado ao pagar a taxa do rotativo do cartão, troque-a por qualquer financiamento com juros mais baixos, como é o caso do empréstimo consignado. Isso pode ser feito 30 dias após a abertura da dívida.

Publicidade

Publicidade

Outra ação que deve ser tomada, antes de fazer a contratação do empréstimo, é solicitar à instituição financeira em que a dívida está sendo acumulada pelo Custo Efetivo Total (CET). Com ele é possível verificar qual é o verdadeiro valor em débitos e, assim, fazer um planejamento financeiro para quitá-los. O consumidor tem o direito a essa informação. Se a instituição não cumprir com a obrigação é possível denunciá-la ao Procon ou Banco Central. 

Outra possibilidade é abrir um diálogo com o banco em que a dívida está sendo acumulada para negociá-la de forma conveniente para ambas as partes envolvidas. 

 

Formada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário