Prepare o Bolso: tudo indica que a conta de luz terá aumento em todo o Brasil

Com a publicação no ano passado do Decreto 10.350/2020 pelo governo federal, tudo indica que a dívida bilionária contraída com o objetivo proteger empresas de energia elétrica da crise, será repassada para a conta de luz do cidadão, acarretando um aumento expressivo.

A autorização para contratar uma dívida de R$ 15,3 bilhões com taxas de juros calculadas sobre a CDI mais 2,8% ao ano, deve gerar uma conta de mais de R$ 20 bilhões a ser paga para 16 instituições bancárias, em sua maioria privadas.

Publicidade

Publicidade

O montante deve ser pago pelo cidadão, com valores diluídos na taxa de energia elétrica por pelo menos 54 meses a começar por esse mês de junho.

Além desse aumento previsto, a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) vem fazendo uma análise dos impactos econômicos sofridos pelas empresas de energia por meio da Consulta Pública 35/2020.

As distribuidoras alegam que os frequentes atrasos nos pagamentos das contas de luz, assim como a diminuição na venda de energia  durante o período da pandemia, tem gerado muitas perdas.

Publicidade

Publicidade

Com isso, a depender dos resultados da análise, a ANEEL pode autorizar uma Revisão Tarifária Extraordinária que pode ser aplicada a partir de 2022, novamente elevando o valor da conta de luz do consumidor.

Confira também:

Reservatórios baixos já encarecem contas de luz a partir de junho de 2021

aumento na conta de luz
Imagem: Divulgação

O aumento da conta de luz já é uma realidade em quase todos os estados brasileiros, segundo anunciou a ANEEL no último dia 28 de maio.

Segundo a agência, neste mês de junho começará a ser aplicada a bandeira tarifária vermelha de nível 2. Para o consumidor isso representa um adicional de R$ 6,24 a cada 100kWh utilizados.

A justificativa da Agência para a passagem da bandeira vermelha de nível 1 para a de nível 2 são os níveis mais baixos que o normal dos reservatórios hídricos nessa época do ano.

Com menos chuvas as usinas hidrelétricas passam a gerar menos energia, o que obriga as usinas termelétricas a aumentarem a sua produção.

Publicidade

Publicidade

A situação é bastante crítica, e na última sexta-feira (28) o Governo Federal publicou um alerta de emergência hídrica para os estados de Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, São Paulo e Goiás.

Segundo a União, e outros órgãos como a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), a escassez de chuvas na bacia do Rio Paraná (responsável pelo abastecimento elétrico desses estados) tem previsão para persistir ao menos até setembro desse ano.

Para tentar evitar os apagões, o presidente da república editou um decreto que regulamenta os leilões para compras de reservas de energia, que devem atender os consumidores do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Os custos dessas compras devem, mais uma vez, ser bancados pelos consumidores, de forma proporcional ao consumo, segundo o governo.

Publicidade

Veja também:

Publicidade

Quais estados já sofreram com o aumento da conta de luz?

Em alguns estados brasileiros a tarifa da conta de luz já foi reajustada, resultando em um boleto mais caro para os consumidores.

Esse foi o caso da Bahia, Rio Grande do Norte, Ceará, Sergipe, São Paulo e Mato Grosso do Sul em abril desse ano.

Segundo a ANEEL, durante o processo de análise do reajuste tarifário, a Agência colocou em prática algumas medidas para evitar que o aumento chegasse aos dois dígitos. Apesar disso, as porcentagens na conta do consumidor ainda são consideráveis.

Publicidade

Publicidade

Confira a tabela com os reajustes logo abaixo:

  • Bahia – 7,26%
  • Rio Grande do Norte – 7,74%
  • Sergipe – 8,33%
  • Ceará – 7,55%
  • São Paulo – 8,95%
  • Mato Grosso do Sul – 8,9%

Como saber quanto estou pagando na conta de luz?

Desde 2015 a ANEEL implantou o sistema de bandeiras tarifárias no Brasil, o que em suma, cobra taxas extras na conta de luz do consumidor em certos períodos do ano.

O mais comum é que as bandeiras de tarifas mais altas sejam implantadas quando há baixa de reservatórios de água, ou quando há outro motivo para o maior uso das termelétricas e não apenas das hidrelétricas.

As bandeiras tarifárias possuem três cores que indicam se naquele mês haverá ou não acréscimo de taxas extras à conta de luz dos consumidores.

  • 🟢 Bandeira verde: indica que naquele mês a produção das hidrelétricas está dentro do esperado, por isso não será necessário nenhum acréscimo.
  • 🟡Bandeira amarela: indica que as termelétricas precisaram ser acionadas naquele mês, por isso há o acréscimo de  R$1,34 a cada 100 kWh.
  • 🔴 Bandeira vermelha: é dividida nos patamares 1 e 2 e significam que a produção pelas usinas termelétricas estão com alta demanda. Cada patamar tem acréscimo de R$ 4,16 e R$ 6,24 a cada 100 kWh.

Com o conhecimento dos valores de cada bandeira, fica mais fácil entender porque em alguns meses a conta de luz vem mais cara ou mais barata.

Fonte: Carta Capital | UOL

Formada em Marketing e pós graduanda do curso de Língua Portuguesa e Literatura do Centro Educacional Uninter. Trabalha na área de comunicação como Social Media e Criadora de Conteúdo além de fazer trabalhos de atuação e locução para material publicitário.
Linkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário