Aumento da fatura de energia fará consumo diminuir 0,2% em setembro

Segundo previsão do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a nova bandeira tarifária ainda não deve ter grande impacto no consumo de energia. A estimativa do órgão é que o aumento no preço da tarifa deve reduzir o consumo em menos de 1% neste mês.

A projeção consta na última atualização do boletim do programa mensal do operação do ONS, divulgada na última sexta-feira (03/09). No boletim, a carga prevista no Sistema Interligado Nacional (SNI) para o mês de setembro é de 69.160 megawatts médios, queda de 0,2% em relação ao mesmo mês de 2020.

Publicidade

Publicidade

Vale lembrar que neste mês começa a cobrança da bandeira tarifária da escassez hídrica, 58% mais cara do que a vermelha patamar 2, que estava em vigor até então. Com esta taxa extra, os brasileiros terão um custo adicional de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos.

consumo energia elétrica
No primeiro mês da nova bandeira tarifária, redução no consumo deve ser pequena. Foto: Reprodução

Apesar do percentual esperado de queda ser baixo neste primeiro mês, o índice é considerado um avanço, de acordo com o comunicado do ONS.

As projeções de carga para o mês levaram em consideração a progressiva melhora do setor de comércio e serviços do país, e a manutenção da produção industrial em patamares elevados. Mas, em contrapartida, nota-se a desaceleração no ritmo de crescimento da carga já considerando a redução de consumo de eletricidade em virtude da nova bandeira tarifária”, destacou o ONS.

Na divisão por regiões, o órgão prevê que o consumo de energia no subsistema Sudeste/Centro-Oeste tenha uma queda de 1,6%, enquanto no Sul deve diminuir 0,1% na comparação anual.

Publicidade

Publicidade

Por outro lado, expectativa é que nas regiões Norte e Nordeste a demanda por energia aumente em comparação ao ano passado: altas estimadas de 3,2% e 3,1%, respectivamente.

Veja também: 62% das empresas planejam racionamento de energia em 2021

Previsão de diminuição no consumo de energia é suficiente para resolver a crise?

Em meio à pior crise hídrica dos últimos 91 anos, os reservatórios das usinas hidrelétricas brasileiras acabam ficando com níveis abaixo da média.

No subsistema Sudeste/Centro-Oeste, a previsão do ONS é de que os reservatórios fechem setembro com apenas 15,2% de capacidade. No Sul, o volume previsto para o final deste mês é de 22,6%, enquanto no Nordeste a projeção é de 40,1% da capacidade e de 62,5% no Norte, regiões onde o consumo de energia deve aumentar.

Ainda de acordo com o ONS, a tendência é que as afluências continuem abaixo da média em todo o país. Com isso, a energia natural afluente (ENA), ou seja, a quantidade de água que chega às hidrelétricas, não deve alcançar a média de longo termo em nenhuma região.

Nesse caso, a pior estimativa é para a região Sul, onde a quantidade de água deve corresponder a apenas 30% da média. No Nordeste, a ENA também deve ficar abaixo da metade da média (47%), enquanto no subsistema Sudeste/Centro-Oeste o nível deve chegar a 54% e a 81% no Norte.

Publicidade

Publicidade

Diante deste cenário preocupante, especialistas afirmam que as medidas do governo para enfrentar a crise podem não ser suficientes para evitar o risco de apagão. Segundo os especialistas, houve demora na resposta do governo, e as iniciativas tomadas podem surtir pouco efeito na economia de energia.

Para as indústrias, por exemplo, que estão entre os maiores consumidores de energia, o governo lançou um programa de racionamento de energia voluntário que deve ter pouca adesão, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Veja também: Vai ter apagão no Brasil? ONS fala em esgotamento de energia elétrica até novembro

Consumidores que economizarem energia terão direito a bônus

Outra medida do governo para tentar diminuir o consumo de energia foi a criação de um bônus na conta de luz para quem economizar. No caso desta iniciativa, a expectativa é que a redução no consumo seja mais significativa.

Publicidade

Segundo o Ministério de Minas e Energia e a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), o objetivo é diminuir o consumo em 15% entre pequenos consumidores no período de setembro a dezembro de 2021.

Publicidade

Com esta iniciativa, os consumidores podem ter bônus de R$ 0,50 para cada kWh economizados. Mas para isso o consumo nos meses citados deve ser no mínimo 10% menor do que a média do mesmo período do ano passado.

Nesse caso, se uma residência consumiu, em média, 130 kWh por mês entre setembro e dezembro de 2020, e diminuir esse valor para uma média mensal 110,5 kWh no mesmo período deste ano, ela terá uma redução de 15% no consumo e ganhará direito ao bônus.

Como no exemplo citado a economia foi de 19,5 kWh, o bônus nesse caso seria de R$ 9,75 por mês (19,5 vezes R$ 0,50).

Publicidade

Publicidade

Fonte: Valor Econômico.

Felipe Matozo
Jornalista formado pelo Centro Universitário Internacional Uninter, repórter do Jornal O Repórter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário