Como funciona o Corredor Humanitário; Entenda

Rússia e Ucrânia chegaram num consenso e criaram corredores humanitários nas regiões do conflito. Mas o que é um corredor humanitário?

Na última quinta-feira (3), após uma nova sessão de negociações entre Rússia e Ucrânia, países que estão em guerra desde a madrugada de 24 de fevereiro, ambos os lados concordaram com a criação de um Corredor Humanitário.

O chefe da delegação russa, Vladimir Medinsky, afirmou o seguinte após a terceira rodada de negociações: “Discutimos exaustivamente três pontos — militar, internacional e humanitário, e o terceiro é uma questão de uma futura regulação política do conflito. Ambas as posições são claras e escritas. Conseguimos chegar a uma acordo sobre alguns deles, mas o principal sobre o qual chegamos a um acordo hoje foi o resgate de civis que se encontravam em uma zona de confronto militar“.

Publicidade

Publicidade

Ou seja, embora o término do conflito ainda esteja fora de cogitação (alguns especialistas sugerem que ele pode chegar a durar cerca de dez ou quinze anos), Rússia e Ucrânia concordaram em facilitar a retirada em segurança de civis das regiões mais afetadas — e é justamente para isso que um corredor humanitário se torna importante.

Nesta matéria especial do No Detalhe, você vai descobrir o que é e como funciona um Corredor Humanitário e por que ele é tão importante para civis durante um conflito armado. Continue lendo e tire suas dúvidas!

O que é um Corredor Humanitário?

Como funciona o Corredor Humanitário; Entenda (Imagem: Attila Husejnow/SOPA Images/LightRocket)
Como funciona o Corredor Humanitário; Entenda (Imagem: Attila Husejnow/SOPA Images/LightRocket)

Basicamente, um Corredor Humanitário (também chamado “Corredor de Fuga”) é um local que serve para a passagem de civis e que não pode ser alvo de ataques de nenhum dos lados envolvidos no conflito. A ideia é permitir assim que refugiados se escondam nestas regiões ou então que a utilizem para se movimentar de uma cidade para outra (ou para países vizinhos).

Publicidade

Publicidade

De acordo com a Organização das Nações Unidas, o conflito entre Rússia e Ucrânia causou a morte de 249 civis e deixou cerca de 553 feridos apenas na primeira semana do conflito. Já o governo de Kyiv, capital da Ucrânia, calcula a perda de cerca de 2.000 civis.

Embora ainda haja bastante incertezas em relação ao número real de civis mortos, a imagem da Rússia, especialmente no ocidente, está ficando bastante manchada por esta guerra de agressão. Ou seja, a criação de um corredor humanitário pode ser também uma estratégia de Vladimir Putin para melhorar a imagem do país internacionalmente, refutando as acusações do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que afirmou temer que a Ucrânia simplesmente deixe de existir após a invasão russa.

Entretanto, embora sejam benéficos para civis, alguns especialistas criticam os corredores humanitários alegando que eles possam ser usados por tropas invasoras para a movimentação de armamentos, suprimentos e inclusive de tropas sem o risco de um ataque aéreo — como no conflito entre o exército congolês e rebeldes em 2008. Ou seja, eles podem vir a facilitar a invasão de soldados russos em regiões ainda não-dominadas.

Lembrando que a Rússia está atualmente com um comboio militar, que inclui tanques, blindados e peças de artilharia, de 64 quilômetros de extensão indo em direção à capital da Ucrânia, Kyiv.

Além disso, por desinformação, os corredores humanitários também podem fazer com que civis, protegidos em casas e em abrigos, exponham-se e movimentem-se para regiões mais perigosas. Ou então que pessoas vulneráveis, como doentes, feridos e idosos, sejam deixados para trás em regiões que possivelmente serão atacadas com mais agressividade após a retirada de grande parte da população.

Gostou dessa matéria? Pois aproveite e confira também:
6 perguntas para entender a guerra entre Rússia e Ucrânia

Editor, redator e revisor da WebGo Content, graduado em Letras – Português/Inglês. Tem experiência com redação, revisão e editoração de textos para Web.
FacebookLinkedin

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário