Brasileiros nunca receberam tão pouco: 30 milhões ganham um salário mínimo

Estudo revela que o Brasil atingiu mais um recorde preocupante em 2021. Além de o país já ter chegado à taxa recorde de 14,7% de desempregadoso número de brasileiros vivendo com até um salário mínimo é o maior já registrado.

Segundo levantamento da consultoria IDados com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domícilio (Pnad), são 30,2 milhões de trabalhadores com renda de até R$ 1,1 mil por mês.

Publicidade

Publicidade

Desde que a série histórica iniciou em 2012, essa é a primeira vez que o índice ultrapassa a marca dos 30 milhões. Considerando a população ocupada no Brasil, o número representa 34,4% dos trabalhadores. Ou seja, mais de um terço dos brasileiros que trabalham recebem, no máximo, um salário mínimo.

Salário mínimo
Enquanto o custo de vida encarece, nunca tantos brasileiros viveram com até um salário mínimo. Foto: Gilson Abreu/AEN

De acordo com o autor do levantamento, Bruno Ottoni, o mercado de trabalho que as pessoas estão encontrando é diferente daquele que existia antes da pandemia. Isso porque muitas empresas faliram, e grande parte das vagas de emprego não existe mais.

Muita gente entra no mercado como conta própria ou informalmente, e essas pessoas tendem a ter um rendimento mais baixo do que aquelas que trabalham com carteira”, acrescentou o pesquisador do IDados ao G1.

Conforme destacado por Ottoni, a taxa de ocupação no Brasil teve leves aumentos nos últimos meses, mas foi puxada principalmente pela informalidade, que cresceu em 2021.

Publicidade

Publicidade

Nesse cenário, a pesquisa mostra que os brasileiros até podem conseguir algum tipo de trabalho, mas estão sendo mal remunerados. Além disso, nem sempre eles têm acesso a direitos trabalhistas.

Veja também: 90% dos candidatos a vaga de emprego aceitariam a ganhar menos para voltar ao mercado de trabalho

Salário mínimo perde ganho real e poder de compra dos brasileiros diminui

Enquanto o número de brasileiros vivendo com renda de até um salário mínimo atinge um patamar recorde, este valor vem rendendo cada vez menos.

Atualmente, por exemplo, o salário mínimo está abaixo da inflação acumulada em 2020, o que indica que o brasileiro perdeu poder de compra em comparação ao ano passado.

Além disso, nos últimos anos o valor do salário mínimo não teve o chamado “aumento real”, quando ele sobe acima da inflação. Desde que o atual governo tomou posse, o reajuste acontece seguindo apenas a inflação do ano anterior.

Mas sem o aumento real, o trabalhador não tem ganho em seu poder de compra, pois a alta serve apenas para compensar o aumento no custo de vida.

Publicidade

Publicidade

Entre 2011 e 2016, por exemplo, na política de reajuste adotada pelo governo Dilma Roussef (PT), o salário mínimo subia pela inflação e a variação do PIB (Produto Interno Bruto), garantindo ganho real para o trabalhador.

Entretanto, este modelo deixou de ser utilizado e deve continuar assim no próximo ano. No final de agosto, o governo federal enviou a proposta de reajuste do salário mínimo para 2022, indicando um aumento de apenas R$ 69 em relação ao valor atual: de R$ 1.100 para R$ 1.169.

Por outro lado, o valor ainda pode passar por novo reajuste, ainda sem ganho real. Isso porque a proposta considerava a previsão do Ministério da Economia para o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) de 2021, mas novas projeções já apontam para uma inflação ainda mais alta até o final do ano.

Veja também: Inflação sobe 0,87% em agosto e chega ao pior patamar dos últimos 21 anos

Previsão para a inflação cresceu em todos os meses do ano

Publicidade

O número de trabalhadores vivendo com até um salário mínimo se torna ainda mais preocupante quando consideramos o aumento no custo de vida.

Publicidade

Nos últimos meses, o brasileiro sentiu no bolso o aumento no preço de diversos itens essenciais, como alimentos, gasolina, gás de cozinha e energia elétrica. Com isso, o poder de compra diminui, e nem sempre o salário mínimo dá conta de todas as despesas.

Nesse cenário, a expectativa do mercado financeiro para a inflação oficial do Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), aumentou sucessivamente em 2021.

De acordo com o relatório “Focus”, divulgado pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira (20), a projeção do mercado para a inflação de 2021 já está em 8,35%.

Publicidade

Publicidade

No início de janeiro, o valor estimado pelo mercado era de 3,32%, ou seja, menos da metade da projeção atual. Durante os meses seguintes, as previsões apenas aumentaram, e hoje é mais que o dobro da meta central do BC, que é de 3,75%.

Fonte: G1.

Jornalista, ator profissional licenciado pelo SATED/PR e ex-repórter do Jornal O Repórter. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.
FacebookLinkedinTwitterYoutube

Participe dos nossos grupos

WhatsappWhatsApp

Entre no Grupo e receba as notícias do dia

TelegramTelegram

Entre no Canal e receba as notícias do dia

FacebookFacebook

Curta nossa Página e receba as notícias do dia

Deixe seu comentário